Secretário-geral da Liga Árabe visita Síria

Nabil al-Arabi pretende apresentar uma iniciativa para resolver a crise

BBC Brasil |

selo

O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al-Arabi, visitará a Síria para tentar resolver a crise no país.

A organização não deu muitos detalhes de qual deve ser o plano, mas afirmou que al-Arabi leva com ele "uma iniciativa para resolver a crise".

A visita de Nabil al-Arabi ocorre depois de uma reunião de ministros do Exterior de países árabes no Cairo, Egito, na qual os ministros pediram que o governo sírio inicie reformas e pare com a violência.

A ONU afirma que mais de 2.200 mil pessoas morreram no país desde o início dos protestos contra o presidente Bashar al-Assad em março.

Reuters
Nabil al-Arabi chega à Síria após participar de uma reunião de países árabes no Cairo
Segundo a correspondente da BBC no Cairo Bethany Bell, a Liga Árabe está aumentando a pressão ao governo sírio mas ainda não suspendeu o país do grupo. A Líbia foi suspensa da organização no começo do ano.

Em uma declaração divulgada depois da reunião, os ministros "pediram que o secretário-geral da Liga Árabe realize uma missão urgente a Damasco e transmita para a liderança síria a iniciativa árabe para resolver a crise".

Os ministros também pediram "respeito (ao) direito do povo sírio de viver em segurança... e suas aspirações legítimas por reformas políticas e sociais".

A organização também afirmou que a estabilidade da Síria é muito importante para toda a região.

Turquia
A comunidade internacional está pressionando o presidente sírio, Bashar al-Assad, e até antigos aliados estão reprovando as ações repressivas no país.

A Turquia afirmou neste domingo que não confia mais no país vizinho. O presidente turco, Abdullah Gul, afirmou que a situação na Síria "chegou a um nível em que tudo (o que for feito) será pouco e tarde demais".

"Todos devem saber que estamos do lado do povo sírio... O povo é fundamental", disse Gul à agência de notícias Anatolia.

O Irã, um dos aliados mais próximos da Síria, também pediu que o presidente Bashar al-Assad ouvisse as exigências de seu povo.

"O governo deve responder às exigências de seu povo, seja na Síria, no Iêmen ou em outros países", teria dito no sábado o ministro do Exterior iraniano, Ali Akbar Salehi.

Protestos
Segundo informações a repressão aos protestos continua na Síria.

Mais manifestações ocorreram durante a noite de sábado em volta de Damasco depois que forças de segurança invadiram a mesquita de al-Rifai, no bairro de Kafar Susseh, no momento em que as pessoas deixavam o local.

Ativistas afirmam que pelo menos uma pessoa foi morta e várias outras ficaram feridas.

Também ocorreram disparos no bairro de Saqba, em Damasco, na província de Idlib e na cidade de Homs, centro do país.

A maioria dos jornalistas estrangeiros teve a entrada proibida na Síria, o que dificulta uma avaliação independente das informações.

    Leia tudo sobre: síriaLiga Árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG