Chanceler afirma que país vai impedir qualquer resolução no Conselho de Segurança da ONU que pretenda aprovar ação estrangeira

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou nesta quarta-feira que seu país vai se opor a qualquer resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que pretenda aprovar uma intervenção militar na Síria.

Saiba mais:
- Fracasso de missão da Liga Árabe aumenta tensão na Síria

- Ataque das forças de segurança mata ao menos 25 na Síria

Chanceler russo Sergei Lavrov se pronuncia durante coletiva em Moscou, Rússia
AP
Chanceler russo Sergei Lavrov se pronuncia durante coletiva em Moscou, Rússia

O chanceler russo disse que a resolução proposta por seu país que circulou no Conselho de Segurança na segunda-feira tinha como intenção deixar claro que nada justificaria uma internvenção militar estrangeira.

"Se alguém tiver a intenção de usar a força a qualquer preço - ouvi pedidos para o envio de tropas árabes à Síria - dificilmente poderemos impedir, mas não receberá nenhuma ordem do Conselho de Segurança", disse Lavrov em coletiva.

O Conselho de Segurança não conseguiu elaborar uma resolução desde que a violência teve início em março no país, deixando mais de 5 mil mortos segundo a ONU , por conta da forte oposição da Rússia e da China. Em outubro, os países vetaram uma proposta de países europeus, apoiada pelos Estados Unidos, que condenava Bashar al-Assad e ameaçava o país com sanções.

Lavrov acrescentou que a Rússia não considera necessário dar uma explicação ou desculpas sobre as suspeitas de que um navio russo teria entregado munição para a Síria apesar de um embargo da União Europeia.

O chanceler disse em uma coletiva que a Rússia estava agindo em total respeito às leis internacionais e não seria guiada por sanções unilaterais impostas por outros países. "Nós não violamos nenhum acordo internacional ou as resoluções do Conselho de Segurança", disse. "Nós somente fazemos comércio com a Síria de itens que não são banidos pelas lei internacional."

O chefe da diplomacia russa expressou que Moscou defende uma solução negociada do conflito na Síria. "Convocamos todos os participantes do drama sírio a uma reunião o mais rápido possível para definir o começo de um diálogo nacional", declarou.

Lavrov destacou que a Liga Árabe propôs que essa reunião fosse realizada no Cairo e manifestou que a Rússia também está disposta a recebê-la. "Se para alguém for complicada essa reunião no Cairo, nós estamos dispostos a receber em nosso território todas as partes sírias e, sem nenhum tipo de intromissão, criar as condições para que comecem a chegar a um acordo", ressaltou.

Leia também: Tanques entraram em cidade síria durante protesto, dizem ativistas

Nesta quarta-feira, ativistas disseram que tropas sírias dispararam contra uma cidade próxima à fronteira com o Líbano. Um residente e um ativista de Zabadani descreveram a cidade como uma "zona de guerra". Ele disse que dezenas de desertores do Exército estão nas entradas ára prevenir qualquer tentativa das forças leais a Assad.

Milhares de pessoas foram mortas durante a revolta, que começou com protestos pacíficos mas se tornou cada vez mais militarizada nos últimos meses.

Com AP e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.