Revista Time escolhe 'o manifestante' como personalidade do ano

Publicação reconhece importância de multidões que saíram às ruas para lutar por direitos em 2011, especialmente no mundo árabe

iG São Paulo |

A figura do "manifestante" foi escolhida como a "Personalidade do Ano" pela revista americana Time, em reconhecimento às multidões que saíram às ruas para lutar por seus direitos em todo o mundo, em particular no Oriente Médio e no norte da África .

"Da Primavera Árabe a Atenas, do 'Ocupe Wall Street' a Moscou", afirma a chamada de capa, que mostra um jovem com a metade inferior do rosto coberta por um lenço.

Leia também: Internet favorece mobilizações apartidárias em regimes fechados

O editor da revista, Richard Stengel, que anunciou a escolha no programa "Today Show" do canal NBC, explicou que o objetivo é homenagear "os homens e as mulheres de todo o mundo que derrubaram governos e levaram um sentido de democracia e dignidade às pessoas que antes não os tinham".

"Estas pessoas já estão mudando a história e continuarão mudando a história no futuro", completou Stengel. "Há um contágio de protestos. O que aconteceu no mundo árabe influenciou o 'Ocupe Wall Street' e os protestos na Grécia e em Madri", disse.

Entre os manifestantes citados pela revista está Mohamed Bouazizi, um vendedor ambulante de 26 anos e morador da Tunísia que ateou fogo ao próprio corpo no ano passado, em protesto contra o confisco de suas mercadorias por policiais. A divulgação do vídeo na qual Bouazizi imola-se na cidade de Sidi Bouzid é considerada um dos estopins dos protestos no país que depois se espalharam pelo mundo árabe.

Filmado por tunisianos que estavam no local munidos de seus telefones celulares, o vídeo foi publicado no YouTube, compartilhado em redes sociais e transmitido pela emissora Al-Jazeera, alcançando grande número de espectadores árabes e, depois, ganhando o noticiário internacional. Sem a liderança de um partido ou organização específica, milhares se revoltaram contra o governo.

"Ninguém poderia saber que, no momento em que um vendedor de frutas tunisiano ateou fogo ao próprio corpo em uma praça, iria incitar protestos que derrubariam ditadores e começariam uma onda global de dissidência", diz o texto da revista. "Em 2011, manifestantes não apenas deram voz às suas queixas. Eles mudaram o mundo."

Finalistas

O "prêmio" da Time foi criado em 1927, com o título de "Homem do Ano" e atualizado para "Personalidade do Ano" em 1999. O objetivo é sempre escolher um indivíduo que tenha tido papel definitivo em um acontecimento importante.

Retrospectiva: Veja o especial com os fatos e personalidades que marcaram 2011

A revista afirmou que entre os "finalistas" deste ano estavam Kate Middleton , esposa do príncipe William da Inglaterra, e o almirante William McRaven, comandante do grupo 'Seals' dos marines americanos que matou Osama bin Laden em uma operação no Paquistão em maio. Também foi citado o nome de Steve Jobs , um dos fundadores da Apple, cuja morte provocou comoção em todo o mundo..

Em 2010, a Time selecionou como "personalidade do ano" o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg , que na época, com 26 anos, tornou-se o segundo mais jovem da história a receber a homenagem, atrás apenas do aviador americano Charles Lindbergh, escolhido em 1927, quando tinha 25 anos.

Entre os "vencedores" também estão o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (2008); o ex-presidente da Rússia Vladimir Putin (2007); Você (representando os criadores de conteúdo na internet, 2007), o cantor e ativista irlandês Bono e o casal de filantropos americanos Bill e Melinda Gates (2005); e o ex-presidente dos EUA George W. Bush (2004).

Com AFP

    Leia tudo sobre: mundo árabepessoa do anotimemanifestantestunísia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG