Após eleição que garantiu maioria ao Partido Justiça e Desenvolvimento, rei entrega ministérios importantes aos islâmicos

O rei Mohammed 6º., do Marrocos, entregou nesta terça-feira os Ministérios da Justiça e Relações Exteriores a um partido islâmico moderado que venceu uma eleição em novembro , mas reservou a pasta da Segurança Doméstica a um veterano conservador ligado ao monarca.

Leia também:
- Partido islâmico vence eleições no Marrocos

- Rei do Marrocos entrega cargo de premiê a líder de partido islâmico

Rei Mohammed 6º posa para foto com novos membros do gabinete
AP
Rei Mohammed 6º posa para foto com novos membros do gabinete

Abdelilah Benkirane, líder do Partido Justiça e Desenvolvimento (PJD), comandará a primeira coalizão marroquina liderada por políticos islâmicos. Seu partido obteve 27% das vagas parlamentares na votação de 25 de novembro.

À frente do Ministério das Relações Exteriores ficará Saad Eddine Othmani e a de Justiça por Mustafa Ramid, que pertencem ao islamita PJD, enquanto a do Interior será presidido por Mohand Laenser, do Movimento Popular (MP).

O rei antecipou a eleição em quase um ano para tentar esvaziar uma revolta popular semelhante à que derrubou outros governos em 2011 na chamada Primavera Árabe.

O Marrocos conseguiu evitar graves distúrbios, mas agora o novo gabinete precisará agir com rapidez para extirpar as sementes do descontentamento - o que inclui o desemprego de 31% entre os jovens, as amplas disparidades de riquezas e o precário acesso aos serviços públicos.

Benkirane disse que o novo governo está "genuinamente" comprometido com as reformas, e prometeu melhorar a competitividade econômica do país para atrair mais investimentos estrangeiros. Ele deve apresentar ainda neste mês seu programa de governo ao Parlamento.

O PJD fez aliança com dois partidos conservadores próximos da monarquia - o Istiqlal ("independência"), que ficou em segundo lugar, e o Movimento Popular. O pequeno Partido Progresso e Socialismo, de esquerda, também participa.

O novo governo é composto por 30 ministros, dos quais cinco são independentes, 11 pertencem ao PJD, seis ao partido nacionalista Istiqlal (PI), quatro ao MP e outros quatro ao ex-comunista Partido do Progresso e o Socialismo (PPS).

Além disso, o responsável de Assuntos Islâmicos seguirá sendo Ahmed Toufiq (independente), a Secretaria-geral do governo segue nas mãos de Driss Dahak (independente), enquanto Abdul Latif é o vice-ministro da Direção Geral de Defesa.

O Ministério da Economia e Finanças ficará com Nizar Baraka do PI, enquanto o de Agricultura e Pesca com Aziz Ajanuch, quem deixou seu partido para continuar ocupando pasta. O novo governo terá somente uma mulher, Basima Hakaui, do PJD, nomeada ministra da Solidariedade da Mulher e da Família.

Um programa palaciano de reformas propõe reduzir os amplos poderes do rei, dando mais espaço a ocupantes de cargos eletivos - como querem manifestantes que exigem a instituição de uma monarquia constitucional nos moldes britânicos e espanhóis, um Judiciário independente e mais combate à corrupção.

Com Reuters e EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.