Regime sírio convoca reunião para estudar reforma da Constituição

Encontro com intelectuais e políticos, previsto para o dia 10 de julho, deve analisar projetos de lei sobre eleições e meios de comunicação

iG São Paulo |

O regime sírio convocou intelectuais e políticos do país para uma reunião consultiva para o dia 10 de julho com o objetivo de estudar a aprovação de novas leis e uma reforma da Constituição.

A chamada Associação do Diálogo Nacional, dirigida pelo vice-presidente Farouk al Sharaa, reuniu-se nesta segunda-feira para estabelecer a agenda da reunião e nortear os temas das conversas entre o regime e os opositores, segundo a agência de notícias estatal Sana.

AP
Crianças refugiadas sírias protestam contra o presidente Bashar al-Assad em Yayladagi, na Turquia (20/6)
Na conferência do próximo 10 de julho o regime espera colocar reformas na Constituição e os projetos de lei de eleições, de administrações locais e dos meios de comunicação. Não foram revelados mais detalhes sobre as mudanças na Carta Magna, nem sobre o caráter das novas leis.

A reunião com membros do governo ocorreu paralelamente a um encontro em Damasco com ativistas e críticos opositores ao regime do presidente Bashar al-Assad. Os cerca de 200 opositores reunidoss pediram por uma transição democrática pacífica para dar fim ao regime de Assad na Síria e alertaram para caos e destruição no país caso contrário.

“Estamos nos encontrando hoje... para impulsionar uma visão sobre como dar fim à tirania e garantir uma transição pacífica e segura”, disse o escritor Louay Hussein, para quem o regime de Assad deve ter fim imediatamente.

Michel Kilo, um dos mais conhecidos escritores e ativistas pró-democracia na Síria, pediu ao governo de Assad que dê aos partidos da oposição o direito de existir com uma emenda constitucional.

O encontro da oposição, o primeiro do tipo desde o início dos protestos contra o governo de Assad, teve autorização do governo para ser feito.

'Conspiração'

No dia 20 de junho, Assad já havia destacado a importância de um diálogo nacional para sair da crise na Síria. Na ocasião, no entanto, o líder sírio denunciou a existência de "uma conspiração internacional" contra o país e se queixou de "um pequeno grupo de sabotadores " que explora as demandas de mudança.

Assad reuniu-se nesta segunda-feira na capital com o membro do Congresso americano Dennis Kucinich e com o deputado britânico Brooks Newmark, aos quais ressaltou a importância de diferenciar as demandas legítimas dos sírios e dos grupos armados.

*Com EFE e AP

    Leia tudo sobre: síriaprotestosrevoltamundo árabebashar al-assad

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG