Rebeldes estudam julgar filho de Kadafi na Líbia

Declaração de enviado é feita enquanto TPI diz que negocia extradição; além de Saif, outros dois filhos estariam presos

iG São Paulo |

EFE
Reprodução de imagem da TV Al-Arabiya mostra Saif al-Islam, filho de Muamar Kadafi, discursando em um local desconhecido antes de ser preso (21/08)
O Tribunal Penal Internacional (TPI) negocia com o Conselho Nacional de Transição líbio (CNT, órgão político dos rebeldes) a extradição de Saif al-Islam, de 39 anos, filho que era apontado como sucessor de Muamar Kadafi, sobre o qual pesa uma ordem de detenção por crimes contra a humanidade , informou nesta segunda-feira a secretaria da corte. "O TPI recebeu a informação de que Saif al-Islam foi efetivamente detido, e a corte negocia sua transferência ao tribunal", disse o porta-voz do TPI, Fadi El-Abdallah.

Nesta segunda-feira, o chefe do CNT, Mustafa Abdul Jalil, confirmou a detenção de Saif e de Mohammed, filho mais velho do ditador árabe que era encarregado das telecomunicações líbias. Mohammed não é acusado pelo TPI. Posteriormente, a TV Al-Arabiya anunciou que o terceiro filho de Kadafi, Saadi, cuja prisão havia sido anunciada no domingo, foi preso na verdade nesta segunda-feira.

Segundo a rede de TV árabe, Abdul Jalil negou, porém, que haja negociações entre a liderança rebelde e o TPI para a transferência de Saif à corte. Além disso, o enviado dos rebeldes a Paris, Mansour Saif al-Nasr, disse nesta segunda-feira que há uma chance de o CNT não entregar Saif a Haia para julgá-lo na Líbia. "Tudo é possível, mas é o CNT que tem de decidir. É possível que ele seja entregue ao TPI, mas também é possível que não", disse Nasr à Reuters do lado de fora da embaixada líbia em Paris.

Além de Saif, em junho o TPI emitiu uma ordem de prisão do líder líbio e de seu cunhado, o chefe da inteligência do regime, Abdullah al-Senussi, por supostos crimes como assassinatos e detenções arbitrárias a manifestantes pacíficos durante a onda de protestos contra o regime.

Em uma coletiva concedida nesta segunda-feira em Benghazi, epicentro dos protestos e reduto opositor localizado no leste do país, o chefe do CNT disse que os filhos capturados de Kadafi estão "sob o controle dos revolucionários e em local seguro". Segundo Abdul Jalil, Mohammed e sua família não foram feridos ao ser capturados na noite de domingo, apesar de ter havido troca de tiros e de um de seus seguranças ter sido morto. 

O líder rebelde também disse não ter conhecimento do paradeiro de Kadafi, afirmando que seu complexo de Bab al-Aziziya e as áreas ao redor ainda não estão sob controle da oposição em Trípoli . "Não podemos dizer que os rebeldes detêm o controle completo (da capital)", disse, acrescentando que "o real momento da vitória será quando Kadafi for capturado".

Segundo ele, Kadafi terá um julgamento justo, "mas não tenho ideia de como se defenderá dos crimes que cometeu contra a população líbia e o mundo". 

Ex-ministro da Justiça do regime Kadafi, Abdul Jalil desertou para o lado dos rebeldes em fevereiro, depois de ver a execução de civis, e rapidamente se tornou líder do conselho de transição. Atualmente ele é cotado para desempenhar um papel-chave em um futuro governo do país.

"Deus escolheu que o fim de Kadafi fosse pelas mãos dos jovens, para que eles possam participar do levante árabe . Eu declaro que o regime de Kadafi está perto do fim. O futuro não será um mar de rosas. Conclamo todos os líbios a agir responsavelmente e não praticar a justiça com suas próprias mãos, tratando prisioneiros de guerra bem e gentilmente. Todos temos direito de viver com dignidade nessa nação", afirmou em Benghazi.

*Com EFE, Reuters e BBC

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabetrípolieuaonuotan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG