Rebeldes dão gasolina para civis deixarem cidade pró-Kadafi

Pelo rádio, Conselho Nacional de Transição dá três dias para moradores deixarem Bani Walid antes de ofensiva

iG São Paulo |

Rebeldes líbios distribuíram gasolina gratuitamente nesta quarta-feira para ajudar civis a fugirem da cidade de Bani Walid, ainda controlada pelas forças leais ao líder deposto Muamar Kadafi. Em carros lotados, centenas de moradores deixaram o local em direção a cidades próximas ou Trípoli, 180 km ao norte.

Os rebeldes anunciaram pelo rádio que os civis têm dois dias para deixar a cidade antes de uma ofensiva contra as forças leais ao líder deposto. "Acho que só 10% dos moradores são partidários de Kadafi. São fanáticos. O resto está esperando para ser libertado", disse o combatente do CNT Abumuslim Abdu à Reuters.

AFP
Mulheres passam por posto de controle rebelde enquanto tentam deixar Bani Walid

As forças rebeldes enfrentam grande resistência em Bani Walid, localizada no deserto, e nas cidades de Sirte e Sabha. Moradores disserma que intensos combates estão acontecendo e que deixar a cidade só foi possível após forças pró-Kadafi terem abandonado alguns postos de controle.

Morador de Bani Walid e partidário do Conselho Nacional de Transição (CNT, órgão político dos rebeldes), Isa Amr, 35 anos, disse que a cidade está ficando sem combustível, alimentos e água.

"Os rebeldes nos deram um pouco de gasolina, o suficiente para dirigir até Trípoli. Eles realmente estão nos ajudando", afirmou Amr, que levava no carro a mulher e os três filhos pequenos.

Abdulbaset Mohamed Mohamed, 25 anos, que também dirigia até Trípoli, disse que andar pela cidade era perigoso. "Milicianos estão escondidos por toda parte e bandeiras verdes (do regime de Kadafi) estão por todo lado", afirmou.

Kadafi e filhos

Também nesta quarta-feira, o porta-voz de Kadafi afirmou que o líder deposto ainda está a Líbia, preparando um "poderoso Exército".

"O líder está com boa saúde e moral elevado. Claro que ele está na Líbia", contou Moussa Ibrahim à Reuters, por telefone. "A luta está mais longe de terminar do que o mundo pode imaginar. Ainda estamos muito poderosos, nosso Exército ainda é poderoso. Temos grandes áreas na Líbia sob nosso controle e stamos reunindo nossas forças."

Na terça-feira, autoridades americanas disseram que um dos filhos de Kadafi, Saadi, chegou à capital do país, Niamey, onde estaria sob custódia das forças de segurança.

Segundo a porta-voz do Departamento de Estado americano, Victoria Nuland, Saadi estaria sob prisão domiciliar em uma residência oficial, assim como outras 32 pessoas ligadas ao líder deposto da Líbia que entraram no Níger.

Enviado americano

O subsecretário de Estado americano para o Oriente Médio, Jeffrey Feltman, chegou a Trípoli nesta quarta-feira para uma reunião com o presidente do CNT, Mustafa Abdel Jalil.

Em entrevista coletiva após o encontro, Feltman afirmou que o governo dos Estados Unidos respeita a soberania da Líbia e expressou o desejo de Washington desenvolver as relações com Trípoli com base no "respeito mútuo e nos interesses comuns".

Feltman também disse que as novas autoridades líbias prometeram respeitar os direitos humanos e as "aspirações democráticas do povo líbio".

Feltman é a principal autoridade americana a visitar Trípoli desde a tomada da capital líbia pelos combatentes anti-Kadafi em 23 de agosto.

A número dois da embaixada americana na Líbia, Joan Polaschik, retornou à cidade em 10 de setembro, ao lado de uma equipe de diplomatas. A embaixada retomará as atividades com a presença do embaixador Gene Cretz nos próximos dias, segundo o Departamento de Estado.

Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabeeuaotanbani walid

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG