Presidente deposto da Tunísia teria sofrido derrame

Segundo imprensa francesa, Zine El Abidine Ben Ali foi internado há dois dias, está em coma e seu estado é grave

iG São Paulo |

O presidente deposto da Tunísia Zine El Abidine Ben Ali sofreu um derrame e está em coma, segundo relatos de parentes divulgados pela agência AFP e pela rede de televisão Europe 1. De acordo com a imprensa, Ben Ali foi internado há dois dias em Jidá, na Arábia Saudita, e seu estado é considerado grave.

O ex-líder de 74 anos deixou a Tunísia com sua família no mês passado em direção à Arábia Saudita, após semanas de protestos populares por sua renúncia. Ben Ali renunciou depois de 23 anos no cargo, deixando o poder interinamente nas mãos do primeiro-ministro Mohammed Ghannouchi.

O antes todo-poderoso presidente tentou lutar contra o descontentamento popular por todos os meios, usando a repressão e depois fazendo concessões, como anunciar a redução do preço da cesta básica de alimentos e a intenção de deixar o poder no final do mandato, em 2014.

A revolta popular na Tunísia inspirou outros movimentos populares em países como Egito, onde o então presidente Hosni Mubarak também renunciou, Iêmen, Bahrein, Argélia, Líbia, entre outros.

Na Tunísia, a população jovem foi motivada a protestar principalmente por causa do aumento nos preços dos alimentos, a alta taxa de desemprego e a falta de oportunidades em uma sociedade extremamente fechada.

Um dos estopins dos protestos foi a divulgação de um vídeo no qual um vendedor imola-se na cidade de Sidi Bouzid, em protesto contra o confisco de suas mercadorias por policiais. Filmado por tunisianos que estavam no local munidos de seus telefones celulares, o vídeo foi publicado no YouTube, compartilhado em redes sociais e transmitido pela emissora Al-Jazeera, alcançando grande número de espectadores árabes e, depois, ganhando o noticiário internacional. Sem a liderança de um partido ou organização específica, milhares se revoltaram contra o governo.

Com EFE e BBC

    Leia tudo sobre: tunísiaben aliegitoprotestosmundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG