Premiê da Turquia pede renúncia de presidente da Síria

Erdogan sugere a Assad que ele pode ter o mesmo fim de Kadafi e Hitler se continuar lutando contra sua própria população

iG São Paulo |

AFP
Premiê turco, Recep Tayyip Erdogan, discursa para parlamentares em Ancara
O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Ergodan, conclamou nesta terça-feira pela primeira vez o presidente da Síria, Bashar al-Assad, a renunciar por causa da repressão contra os manifestantes antigoverno, aumentando a pressão sobre o cada vez mais isolado líder árabe.

Leia também:
- Turquia aumenta pressão sobre Síria
- França e Turquia pedem maior pressão internacional sobre Síria

Em suas palavras mais duras já pronunciadas sobre a crise, Ergodan relembrou o fim sangrento do líder líbio, Muamar Kadafi , e de outros ditadores do passado, incluindo Adolf Hitler. "Pelo bem-estar de sua própria população e da região, apenas deixe o cargo", disse em um discurso televisionado.

"Se o senhor quiser observar alguém que lutou até a morte contra sua própria população, apenas relembre a Alemanha nazista, apenas recorde Hitler, Mussolini, Nicolae Ceausescu na Romênia", disse. "Se o senhor não consegue tirar nenhuma lição disso, então lembre do líder líbio, que foi morto há apenas 32 dias."

O alerta de Erdogan foi feito um dia depois de soldados sírios terem aberto fogo contra ao menos dois ônibus com cidadãos turcos , disseram testemunhas e autoridades, em uma aparente retaliação contra as críticas turcas contra Assad, cuja repressão contra um levante antigoverno de oito meses deixou mais de 3,5 mil mortos , segundo a ONU.

O premiê turco tem aumentado as críticas contra o regime sírio, e na semana passada disse que o mundo deveria urgentemente "ouvir os gritos" da Síria e fazer algo para parar o banho de sangue. A Turquia permitiu a entrada de refugiados e de desertores militares em seu território , e a oposição política síria usou o país como um local para se encontrar e organizar.

Saiba mais:
- Presidente da Síria acusa Turquia de fornecer armas a opositores
- Em afronta à Síria, Turquia abriga combatentes anti-Assad

O crescente isolamento de Assad e o aumento dos pedidos por sua renúncia são um forte golpe para uma dinastia familiar que governa a Síria há quatro décadas. O levante sírio tem ficado cada vez mais violento em meses recentes. Os desertores do Exército tornaram-se mais ousados em semanas recentes, retaliando forças do regime e até mesmo atacando bases militares - aumentando os temores de uma guerra civil no país.

Na quinta-feira, espera-se que os ministros árabes de Relações Exteriores se reúnam no Cairo para decidir se impõem sanções econômicas e políticas contra Damasco.

*Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeassadliga árabeturquiaerdogan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG