Partidos liberais egípcios criam frente contra domínio islâmico

Chamada de "Constituição para Todos os Egípcios", a frente foi criada neste domingo após votação no sábado

EFE |

Um total de quatorze formações liberais, revolucionárias e de outras tendências criaram neste domingo uma frente para garantir os direitos de todos os egípcios na próxima Constituição diante do "domínio político" dos grupos islâmicos. Chamada de "Constituição para Todos os Egípcios", a frente foi criada após o Parlamento eleger neste sábado os membros da Assembleia Constituinte, que estará representada em 70% pelas forças islâmicas que controlam as duas câmaras legislativas.

Leia também: Deputados egípcios se retiram de votação sobre Constituição

Os parlamentares liberais abandonaram o plenário durante a votação. Entre os integrantes desta iniciativa figuram a Assembleia Nacional da Mudança, do prêmio Nobel da Paz Mohamed ElBaradei; os liberais Egípcios Livres, a Coalizão de Jovens da Revolução e os partidos esquerdistas Tagamu, Comunista e Socialista. Estes grupos defenderam a união para garantir um estado civil no Egito por meio de uma constituição elaborada pelo povo e que assegure o equilíbrio entre os poderes executivo, legislativo e judicial.

A frente pediu que os escolhidos para redigir a Carta Magna se retirem da assembleia em rejeição ao "domínio de uma só tendência política na elaboração da Constituição". Além disso, convocou uma manifestação para a próxima terça-feira em frente à sede do Conselho de Estado, no centro do Cairo, para exigir que composição da Assembleia Constituinte seja anulada. As formações majoritárias no Parlamento egípcio, o Partido Liberdade e Justiça (PLJ), braço político da Irmandade Muçulmana, e o salafista Al Nour, conquistaram ontem sete de cada dez cadeiras da assembleia.

Está previsto que na próxima quarta-feira se celebre na sede do Parlamento, no centro do Cairo, a primeira sessão da Assembleia Constituinte. A elaboração de uma nova Constituição é um dos passos fundamentais no processo de transição no Egito, que culminará com a eleição de um novo presidente na eleição convocada para 23 e 24 de maio.

Leia também: Confrontos em jogo de futebol acirram tensão política no Egito

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG