Organizações denunciam violência e tortura na Líbia

Anistia denuncia mortes após torturas, enquanto Médicos sem Fronteiras suspende trabalho em Misrata e ONU se preocupa com presos e milícias

iG São Paulo |

Várias pessoas morreram depois de serem torturadas por milícias nos centros de detenção da Líbia, afirmou nesta quinta-feira o grupo humanitário Anistia Internacional. Segundo a organização, pacientes em Trípoli, Misrata e Gheryan foram vistos com feridas abertas na cabeça, membros e costas.

Reuters
Parede com marcas de disparos é vista depois de ataque de partidários de Kadafi em Bani Walid, Líbia (24/01)
Além disso, a organização Médicos sem Fronteiras anunciou a suspensão de seus trabalhos em Misrata após denunciar que prisioneiros estão sendo torturados e impedidos de receber tratamento médico urgente. As declarações das duas ONGs foram feitas em meio à crescente preocupação da Organização das Nações Unidas (ONU) com a situação dos presos e a atuação de milícias no país.

De acordo com a Médicos sem Fronteiras, pelo menos 115 pacientes tratados aparentavam ter sofrido tortura durante interrogatório. “As autoridades tentam explorar e impedir nosso trabalho”, disse o diretor-geral do grupo, Christopher Stoker.

“Os pacientes estão sendo trazidos no meio do interrogatório, para que possam receber tratamento e, assim, continuar sendo interrogados”, acrescentou. “Isso é inaceitável. Nosso trabalho não é tratar os mesmos feridos entre sessões de tortura.”

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, demonstrou preocupações similares ao dizer que as autoridades líbias estão permitindo um ambiente que contribui para a tortura e os maus-tratos de prisioneiros.

Segundo ela, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha visitou mais de 8,5 mil detentos em cerca de 60 prisões líbias de março a dezembro do ano passado para chegar a tal conclusão.

“A maioria dos prisioneiros é acusada de ser fiel a (Muamar) Kadafi (líder deposto do país, morto em outubro )”, afirmou Pillay. “Minha equipe tem recebido relatórios alarmantes sobre a situação nas prisões.”

Ela fez um apelo para que autoridades tomem o controle de prisões informais, revisem casos e lidem com os prisioneiros de acordo com a lei.

Na segunda-feira, confrontos deixaram pelo menos quatro mortos em Bani Walid , um antigo reduto de Kadafi. Na quarta-feira, o enviado da ONU à Líbia, Ian Martin, afirmou ao Conselho de Segurança da ONU, com sede em Nova York, que os choques aconteceram entre moradores armados da cidade e rebeldes que ajudaram a derrubar Kadafi.

Segundo Martin, o episódio, assim como outros episódios violentos em diferentes regiões do país, mostram como o novo governo líbio ainda tem o desafio de reconciliar a população. Ele acrescentou que a população ainda está fortemente armada e que as diferentes brigadas armadas não têm uma linha clara de comando e controle.

O ministro líbio da Defesa, Osama al-Juwali, disse na quarta-feira que a situação estava estável em Bani Walid. Um autoridade local afirmou à BBC que cerca de 90% da cidade é atualmente controlada por milícias.

Com BBC

    Leia tudo sobre: líbiaonukadafimorte de kadaficnttortura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG