Operação na Líbia custa US$ 550 milhões aos EUA, diz Pentágono

Nas próximas 3 semanas se somarão ao total US$ 40 milhões em munições, voos suplementares e combustível; Trípoli é alvo de ataques

iG São Paulo |

A intervenção militar na Líbia provocou um gasto adicional de US$ 550 milhões para o Departamento de Defesa dos EUA, aos quais deverão se somar outros US$ 40 milhões nas próximas três semanas, informou o Pentágono nesta terça-feira.

Entre 19 e 28 de março, as munições, as horas de voo suplementares e o consumo adicional de combustível para os aviões e barcos americanos causaram um custo extra de US$ 550 milhões, disse à AFP Kathleen Kesler, porta-voz do Pentágono.

"Cerca de 60% dos custos suplementares devem-se às munições" que foram empregadas contra as forças fiéis ao líder líbio, Muamar Kadafi, disse. "Os custos futuros são muito incertos. Mas prevemos um custo adicional de cerca de US$ 40 milhões para as três semanas seguintes à medida que as forças americanas saírem e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) assumir o controle", disse a capitã Kesler.

Os Estados Unidos, que coordenavam as operações da coalizão, devem terminar de delegar o controle da intervenção internacional à Otan na quinta-feira. No total, os EUA dispararam 192 mísseis de navios Tomahawks dos 199 que foram lançados contra a defesa antiaérea e os postos de controle líbios.

Cada Tomahawk custa cerca de US$ 1,5 milhão, estimou nesta terça-feira o chefe militar da Otan, o almirante americano James Stavridis, diante da Comissão de Defesa do Senado, o que representa, no total, um custo de cerca de US$ 300 milhões.

Além disso, os EUA lançaram 455 bombas guiadas a laser das 602 utilizadas pela coalizão durante esse período. O chefe do Estado Maior da Marinha americana, o almirante Gary Rouhghead, tinha explicado na semana passada que o aumento dos custos era insignificante.

"Como nossas forças já estavam sobre o território, esses custos foram absorvidos. Já paguei por isso", afirmou. Rouhghead atenuou também o custo que provocaria o uso dos mísseis Tomahawk: "Há (mísseis) suficientes em nossas reservas", pois, segundo ele, o arsenal americano conta com mais de 3 mil Tomahawk.

Bombardeios em Trípoli

Uma série de fortes explosões abalaram Trípoli nesta terça-feira e a televisão estatal disse que vários alvos na capital líbia estavam sob ataques de "agressores cruzados". Repórteres da Reuters ouviram ao menos três explosões no centro de Trípoli, aproximadamente às 12h40 (horário de Brasília).

A televisão estatal líbia informou que diversos "alvos civis e militares" foram bombardeados por "agressores coloniais e cruzados". Forças da coalizão estão lançando ataques aéreos diariamente sobre a Líbia desde 19 de março para garantir a zona de exclusão aérea aprovada pela ONU e proteger civis contra as forças de Kadafi.

Ataques diurnos são incomuns em Trípoli. Ataques aéreos e de mísseis tendem a ser realizados após o anoitecer e às vezes são ouvidos durante a noite. Moradores de Trípoli disseram que as últimas explosões ocorreram no leste da capital, mas a localização exata dos ataques não estava clara.

*Com AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: líbiakadafitrípolieuaonuzona de exclusão aérea

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG