ONU autoriza Reino Unido a descongelar US$ 1,5 bilhão em dinheiro líbio

Verba equivalente a quase R$ 2,4 bilhões deverá ser enviada ao Banco Central líbio para ser utilizada como ajuda humanitária

BBC Brasil |

selo

A ONU autorizou a Grã-Bretanha a descongelar quase 2 milhões de dinares líbios (equivalente a US$ 1,5 bilhão) que estavam retidos em bancos britânicos. O dinheiro estava congelado desde fevereiro, quando a ONU impôs sanções financeiras à Líbia por causa dos combates no país.

AP
Suspeito de ser mercenário de líder Muamar Kadafi é preso em Trípoli, Líbia
A verba deverá ser enviada ao Banco Central líbio para ser utilizado como ajuda humanitária. Alemanha e França também solicitaram autorização para liberar investimentos líbios em seus bancos, que somam US$ 1,4 bilhão e US$ 7,3 bilhões, respectivamente.

O ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, William Hague, disse, por meio de um comunicado, que a medida representa outro grande passo para obter a ajuda necessária para o povo líbio.

Cédulas

O dinheiro retido nos bancos britânicos é composto por cédulas de dinares líbios que foram impressas por uma empresa local. "Essas cédulas, congeladas na Grã-Bretanha após as sanções da ONU, auxiliarão nas urgências humanitárias do país, incentivarão a confiança no setor bancário, pagarão salários de trabalhadores públicos e aumentarão a liquidez da economia", disse Hague.

A correspondente da BBC na ONU, Bárbara Plett, disse que havia um consenso de que o Conselho Nacional de Transição da Líbia (CNT) precisava do dinheiro imediatamente, e que os países não estavam dispostos a esperar a ONU aprovar outra resolução.

De acordo com a agência de notícias AFP, diplomatas afirmaram que a missão chinesa na ONU, que é um importante membro do comitê de sanções do Conselho de Segurança, autorizou os britânicos a descongelar os fundos, após receber a aprovação de Pequim. Na semana passada, os Estados Unidos foram autorizados a enviar cerca de US$ 1,5 bilhão em bens congelado à Líbia.

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabetrípolieuaonuotan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG