Entre as medidas debatidas estão o congelamento dos bens do ditador Muamar Kadafi, a proibição de viajar e o embargo de armas

O Conselho de Segurança das Nações Unidas iniciou neste sábado sua reunião de emergência para debater sobre as possíveis sanções contra o regime político da Líbia, entre as quais está o congelamento dos bens do ditador Muamar Kadafi, a proibição de viajar e o embargo de armas. A reunião começou às 14h (de Brasília), uma hora depois do previsto, ocorre a portas fechadas e é presidida pelo Brasil, que em fevereiro ocupa a presidência rotativa do órgão.

Os 15 países-membros do conselho estudam um projeto de resolução, elaborado pela França e Reino Unido, que contempla o embargo de armas e pede ao Tribunal Penal Internacional (TPI) que investigue os possíveis de crimes de guerra e contra a humanidade cometidos durante a repressão dos protestos.

O órgão prevê igualmente congelar os bens de Kadafi e de outros 21 membros de sua família e assessores próximos e proibi-los de viajar ao exterior. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em seu discurso perante o conselho na sexta-feira, pediu aos 15 países-membros do órgão que adotassem o mais rápido possível "ações concretas e decisivas" contra o regime líbio e evitem assim o derramamento de sangue entre os líbios. "As próximas horas e dias serão decisivas para o futuro da Líbia, assim como para toda a região", disse Ban.

Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, impôs nesta sexta-feira sanções ao governo líbio de Muammar Kadhafi, para punir a repressão aos manifestantes e debilitar ainda mais o atual regime, informou a Casa Branca.

Obama firmou um decreto congelando contas e propriedades de Kadhafi e de seus quatro filhos nos Estados Unidos, destaca o comunicado.

"O regime de Muammar Kadhafi violou as leis internacionais e a decência, e deve ser responsabilizado". "Estas sanções visam diretamente o regime de Kadhafi, mas também protegem os bens que pertencem ao povo líbio", destacou a Casa Branca.

Em entrevista ao mesmo tempo em que ocorre a reunião da ONU, filho de Saif, filho de Kadafi, reconhece
Reuters
Em entrevista ao mesmo tempo em que ocorre a reunião da ONU, filho de Saif, filho de Kadafi, reconhece "erros"

Filho de Kadafi fala em "nogociação amistosa"

Enquanto ocorria a reunião, Seif el Islam, filho de kadafi, afirmou que a situação na Líbia é "excelente" nos três quartos de seu território, mas aceitou que existe "uma vontade interior de mudança" no país. Ele anunciou "reformas" em todos os níveis da administração em uma entrevista à emissora "Al Arabiya" e reconheceu que existiram "erros na gestão da crise". Ao final, Seif concordou que "é preciso uma negociação amistosa para fazer uma nova Líbia"


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.