Obama: Líderes do Oriente Médio têm de encarar 'fome por mudança'

Após renúncia do egípcio Mubarak e repressão no Irã, líder dos EUA diz que região 'não pode ficar para trás': 'mundo está mudando'

BBC Brasil |

Os líderes do Oriente Médio "não podem ficar para trás" enquanto suas populações reivindicam mudanças, disse nesta terça-feira o presidente dos EUA, Barack Obama, depois de manifestantes terem forçado a renúncia do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak e de terem enfrentado uma repressão do governo no Irã .

AFP
Presidente dos EUA, Barack Obama, gesticula durante coletiva na Casa Branca, em Washington
Segundo o líder americano, uma nova e vibrante geração está pedindo por mudanças no Oriente Médio, e os governos da região precisam reconhecer a "fome por mudança" de suas populações. Ele também afirmou que seu governo disse aos líderes da região que "o mundo está mudando".

Obama afirmou que está vendo "os sinais certos" vindos do Egito, onde os militares assumiram temporariamente o poder após a renúncia de Mubarak, na sexta-feira. Durante coletiva, o líder americano também fez críticas ao governo do Irã por usar violência contra "manifestantes pacíficos".

Segundo Obama, o conselho militar que assumiu o governo egípcio reafirmou seu compromisso em manter tratados internacionais firmados anteriormente e se reuniu com a oposição para iniciar as discussões sobre reformas no país. "Até agora temos visto sinais positivos", disse Obama.

Ao comentar as manifestações populares que levaram à queda de Mubarak no Egito, Obama disse ser "irônico" que o governo iraniano " finja celebrar " os acontecimentos egípcios quando responde com agressões a manifestações pacíficas dentro de seu próprio país.

Obama declarou apoiar os protestos realizados pela oposição iraniana na segunda-feira e disse esperar que os manifestantes tenham a "coragem" de continuar a expressar seu desejo por mais liberdade.

Uma onda de protestos atingiu Estados do Oriente Médio e do norte da África desde meados de janeiro, quando semanas de manifestações antigoverno forçaram o autocrata tunisiano Zine El-Abidine Ben Ali fugir para a Arábia Saudita . Além do Egito, movimentos de oposição saíram às ruas na Argélia , Jordânia , Iêmen , Bahrein e Sudão .

"O que realmente trará estabilidade a essa região é se os jovens, a população comum, sentir que há formas para alimentar suas famílias, conseguir trabalhos decentes e educação, para aspirar por uma vida melhor", disse Obama. "E quanto mais passos esses governos derem para oferecer esses caminhos para a mobilidade e a oportunidade, mais estáveis ficarão. Não se pode manter o poder pela coerção."

*Com BBC

    Leia tudo sobre: barack obamaeuamundo árabeegitoirãargéliaiêmen

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG