Obama diz que Kadafi perdeu legitimidade e deve deixar o poder

Líder americano anuncia que aviões americanos ajudarão a repatriar refugiados do conflito líbio; segundo agência, seriam 180 mil

BBC Brasil |

selo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que o líder líbio, Muamar Kadafi, "perdeu a legitimidade e deve deixar o poder".

Em uma das declarações mais fortes que fez até agora contra o regime da Líbia, Obama afirmou que a saída de Kadafi é "melhor para seu povo e para seu país" e seus colaboradores "devem entender que serão monitorados e responsabilizados" por atos de violência contra a população.

Reuters
O presidente dos EUA, Barack Obama, faz declarações ao lado do líder mexicano, Felipe Calderón, em Washington
"As exigências do povo líbio de liberdade, democracia e dignidade têm de ser atendidas", disse em coletiva em Washington ao lado do presidente mexicano, Felipe Calderón. O americano também aprovou o uso de aeronaves militares e civis dos Estados Unidos para repatriar estrangeiros que fugiram do confronto líbio e estão na fronteira e voltou a pedir o fim da violência no país.

Na manhã desta quinta-feira, a agência de refugiados da ONU disse que quase 180 mil, em sua maioria trabalhadores estrangeiros, fugiram da violência para a Tunísia e o Egito.

Hillary

O chamado de Obama pela renúncia de Kadafi - que lidera a Líbia desde 1969 - repete declaração de sua secretária de Estado, Hillary Clinton, no início da semana, quando pediu que o líder líbio deixasse o poder, "sem mais violência, nem atrasos".

Obama disse que "todas as opções" serão avaliadas para lidar com a situação líbia em conjunto com a comunidade internacional.

Na Europa, Grã-Bretanha e França indicaram que apoiam o plano de criar uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia para impedir que as forças leais a Kadafi lancem ataques aéreos em áreas tomadas pelos rebeldes.

Nesta quinta-feira, aviões da Força Aérea lançaram ataques contra alvos no leste do país , região que foi tomada pela oposição ao longo dos protestos que estão em curso no país desde a metade de fevereiro. Kadafi prometeu lutar para reconquistar a região.

Enquanto isso, o promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional, Luiz Moreno Ocampo, anunciou que investigará Kadafi, seus filhos e seus principais assessores por crimes contra a humanidade .

    Leia tudo sobre: líbiakadafiegitotunísiamundo árabetrípolieua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG