Mulheres assumem volante em desafio a regime da Arábia Saudita

Total de 42 mulheres atende à convocação feita por meio de redes sociais para desrespeitar proibição de dirigir no reino

AFP |

As sauditas atenderam nesta sexta-feira à convocação feita por militantes para desafiar a proibição de mulheres dirigirirem, assumindo o volante nas cidades do reino sem incidentes maiores. Segundo os organizadores da campanha Women2drive, 42 mulheres enfrentaram a proibição, e apenas uma delas cometeu uma infração, enquanto outras duas foram escoltadas para suas casas por agentes da polícia.

AP
Em imagem de vídeo divulgado pela Change.org, saudita dirige carro como parte de campanha para desafiar proibição à direção feminina na Arábia Saudita
Mas nenhuma prisão foi registrada, o que parece ser uma indicação da disposição das autoridades de não se opor com o uso da força a esse movimento no reino ultraconservador, único país do mundo onde as mulheres não têm direito de dirigir.

Os correspondentes e fotógrafos da AFP não viram mulheres dirigindo, mas vários testemunhos foram difundidos nas redes sociais, incluindo vídeos de mulheres ao volante no YouTube. "Voltamos do supermercado. Minha mulher decidiu começar o dia pegando o volante na ida e na volta", escreveu em sua conta no microblog Twitter Tawfiq Alsaif, um editorialista.

"É um direito das mulheres que nenhuma lei, nenhuma religião proíbe. Saí para obter meu direito" de dirigir, declarou à AFP Maha al-Qahtani, que dirigiu pelas ruas de Riad durante 45 minutos. Seu marido Mohammad al-Qahtani, presidente da Associação Saudita dos Direitos Civis e Políticos, que a acompanhou, indicou no Twitter que ela estava "preparada para ir à prisão sem medo".

Azza al-Chamassi, uma empresária de Riad e mãe de três filhos, declarou à AFP que assumiu o volante na capital sem ser importunada pela polícia, mobilizada nas principais vias da cidade. "Levei minhas duas gêmeas, de 6 anos, e lhes comprei doces", disse. "Tive medo, mas se todas as mulheres começarem a dirigir, ficarei tranquila", disse.

A campanha Women2drive, iniciada há dois meses nas redes sociais, deve continuar "até a publicação de um decreto real que autorize as mulheres a dirigir", indicou a página dos organizadores no Facebook.

As mulheres são chamadas a agir individualmente, ao contrário de uma carreata celebrada em 1990, na qual as participantes foram detidas. O ícone da campanha desta sexta-feira foi Manal al-Sharif , uma jovem especialista em informática, libertada em 30 de maio após ter permanecido detida por duas semanas por ter desafiado a proibição de dirigir e publicar no YouTube um vídeo no qual aparecia ao volante.

Em um comunicado, a Anistia Internacional pediu às autoridades que "parem de tratas as mulheres como cidadãos de segunda classe e abram as vias do reino às motoristas". "Não permitir que as mulheres assumam o volante é um imenso entrave à sua liberdade de movimento e limita sua capacidade de realizar suas atividades cotidianas, como ir ao supermercado ou levar seus filhos à escola", disse a ONG.

Nenhuma lei proíbe as mulheres de dirigir. No entanto, as autoridades se fundamentam em um pronunciamento religioso (fatwa), promulgado no reino, cujas leis são inspiradas em uma interpretação rigorosa do Islã, e invocam a oposição dos religiosos e dos meios conservadores para manter a proibição. Para se deslocar, as sauditas precisam contratar um motorista e, se não tiverem recursos, dependem da boa vontade dos homens da família.

    Leia tudo sobre: arábia sauditamundo árabeyoutuberedes sociais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG