Mubarak e seus filhos são detidos pela polícia no Egito

Ex-presidente egípcio está detido no hospital de Sharm el-Sheikh, onde foi internado após sofrer uma crise cardíaca

iG São Paulo |

AP
Menino protesta com a família em frente ao hospital onde Mubarak está internado e detido

O ex-presidente do Egito Hosni Mubarak e seus dois filhos, Alaa e Gamal, foram detinos nesta quarta-feira. O Ministério Público do Egito ordenou a detenção dos três por 15 dias em meio às investigações sobre corrupção e violações dos direitos humanos por parte de seu governo, entre 1981 e 2011.

Segundo a imprensa local, os dois filhos do ex-líder estão detidos na prisão de Tora, nos arredores do Cairo. Mubarak, de 82 anos, está hospitalizado desde a noite de terça-feira, após ter sofrido problemas cardíacos durante um interrogatório. O estado de saúde de Mubarak, segundo a imprensa egípcia, é instável.

De acordo com a TV estatal egípcia, funcionários do hospital disseram que o ex-presidente vinha se recusando a comer e a beber desde o início do interrogatório, no domingo.

O ex-líder deixou o poder em 11 de fevereiro após um levante de 18 dias contra seu governo. O país vem sendo comandado por um conselho militar desde então. Dezenas de milhares de manifestantes vêm realizando protestos semanais na Praça Tahrir pedindo que o ex-presidente seja levado à Justiça.

Mubarak, sua esposa e seus filhos estão proibidos de deixar o Egito e os bens da família foram congelados, como parte das investigações. A morte de centenas de manifestantes durante os protestos que levaram à sua saída da Presidência também está sendo investigada.

Em uma mensagem gravada no sábado e divulgada no domingo, Mubarak quebrou o silêncio de quase dois meses dizendo que sua reputação e a de seus filhos havia sido prejudicada e que ele lutaria para limpar o nome da família.

Desde que deixou o poder, o ex-presidente passou a viver em Sharm El-Sheikh e vinha adotando uma postura discreta, evitando declarações em público sobre a situação atual do país.

Gamal, o filho mais jovem de Mubarak, chegou a ser visto como um possível sucessor de seu pai na Presidência do Egito. Ele fez carreira trabalhando em bancos e fundos de investimento e ocupava uma alta posição no partido do pai.

Com BBC e EFE

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakmundo árabeprotestos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG