Moncef Marzouki toma posse como presidente da Tunísia

Ativista promete, durante cerimônia, que será um líder para todos os tunisianos e que melhorará o acesso à educação e saúde

iG São Paulo |

A Tunísia empossou nesta terça-feira o novo presidente do país, o ativista Moncef Marzouki, do partido Congresso para a República, que ficou em segundo lugar nas eleições parlamentares realizadas em março.

Leia também:
- Ativista Moncef Marzouki é eleito presidente da Tunísia
- Assembleia Constituinte da Tunísia tem primeira sessão histórica

Reuters
Presidente tunisiano Moncef Marzouki toma posse na Assembleia Constituinte de Túnis

O recém-eleito presidente da Tunísia prometeu, durante sua cerimônia de posse, que será um líder para todos os tunisianos. Marzouki, que foi preso diversas vezes no antigo regime, disse que vai fazer um rompimento limpo com a história de ditadura do país e que vai permitir aos tunisianos o acesso à educação, trabalho e saúde, além de direitos iguais para todas as mulheres.

Os tunisianos forçaram a renúncia do ditador Zine El Aibidine Ben Ali em janeiro, após ter dado início a uma onda de revoltas populares que se espalhou por países do norte da África e do Oriente Médio, conhecida como Primavera Árabe . Em outubro, uma assembleia foi eleita incumbida de escrever uma nova Constituição, além de nomear um novo presidente e um governo interino.

"Os tunisianos provaram para o mundo que são um povo civilizado que tem habilidade e recursos para superar todos os desafios", disse ele, acrescentando admitir que é preciso realizar um trabalho urgente para salvar uma economia em queda. "O mundo árabe está assistindo à experiência tunisiana e seu sucesso será um modelo, enquanto sua falha terá repercussão negativa."

Marzouki se comprometeu a trabalhar com a coalizão no poder que o elegeu, bem como com a oposição que se absteve ou votou em branco.

Os políticos da oposição expressaram preocupação de que a maior parte do poder na nova república esteja concentrada nas mãos do primeiro-ministro em vez de ser compartilhada com o presidente.

Marzouki, que tem poucos poderes, pediu à oposição e à coalizão que "demonstrem um jogo justo e proponham soluções" aos muitos problemas enfrentados por esse país de 10 milhões de habitantes.

A revolta contra Ben Ali foi em parte conduzida pela insatisfação popular com a situação econômica e, até o momento, cerca de 700 mil jovens, 200 mil deles graduados em universidades, continuam sem empregos.

Ele também afirmou que irá aumentar o investimento e o desenvolvimento no empobrecido interior do país, onde a revolução começou em 17 de dezembro, quase há um ano.

Marzouki se emocionou ao concluir seu pronunciamento, quando mencionou os sacrifícios de mais de 250 pessoas que morreram durante o levante. O novo presidente deve agora nomear um primeiro-ministro, que deverá ser Hamadi Jebali do partido islâmico moderado Ennahda, que conquistou a maior parte dos assentos da Assembleia Constituinte.

Jebali, então, terá 21 dias para formar o governo, que será submetido à aprovação do Parlamento.

Com AP

    Leia tudo sobre: tunísiamarzoukiben aliassembleia constituintegovernomundo árabeposse

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG