Liga Árabe dá ultimato para Síria aceitar missão observadora

Grupo sediado no Egito ameaçou Damasco com sanções caso não seja assinada até sexta permissão para entrada de enviados

iG São Paulo |

Um comitê da Liga Árabe deu a Síria um ultimato de 24 horas para permitir que uma missão observadora entre em seu território, ou o país enfrentará sanções. As ameaças desta quinta-feira fazem parte de um contexto de pressão internacional para que o presidente Bashar al-Assad impeça os ataques brutais contra os manifestantes que pedem sua deposição.

Leia também: Com apoio do Brasil, comissão da ONU aprova condenação contra Síria

Reuters
Premiê e chanceler do Catar Hamad bin Jassim al-Thani e secretário-geral da Liga Árabe Nabil al-Arabi participam de reunião no Cairo

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) os confrontos entre as forças de segurança e os civis deixaram 3,5 mil mortos desde março , quando começou o levante, parte dos protestos da chamada Primavera Árabe , que varre países do Oriente Médio e o norte da África. O governo de Assad culpa as gangues armadas e os militantes pela violência.

A Liga Árabe pediu a Damasco que concorde com a entrada de uma missão até sexta-feira. Se houver uma recusa, a Liga fará uma reunião no sábado para decidir as sanções. Segundo a agência Associated Press, as medidas poderão incluir o congelamento de bens, fim das transações financeiras e o impedimento de voos para o país.

A decisão do ultimato foi tomada durante um encontro da Liga Árabe na capital do Egito, Cairo. Damasco havia aceitado a missão observadora sob algumas condições como reduzir o número de enviados de 500 para 40. As mudanças foram negadas pela Liga Árabe que deu agora um novo ultimato.

Saiba mais: Liga Árabe rejeita mudanças propostas pela Síria em plano de paz

O papel dos observadores seria supervisionar a implementação do plano de paz , acordado entre a Síria e a Liga Árabe no início do mês, que prevê que o governo pare de atacar manifestantes, retire militares de áreas de tensão e comece as negociações com a oposição.

"Amanhã (sexta-feira) é o limite para a Síria assinar", disse Afifi Abdel Wahab, o enviado egípcio da Liga Árabe. "Se eles não assinarem, os conselhos econômicos e sociais (dos ministros da Liga Árabe) se encontrarão no sábado para discutir as sanções."

Até o momento, a Síria não respondeu publicamente ao prazo. No começo do mês, a Liga Árabe suspendeu a filiação de Damasco do grupo e os ameaçou com sanções por não implementarem o plano de paz acordado anteriormente. "A Síria não ofereceu nada para mudar a situação", disse um diplomata a Reuters nesta quinta.

Leia também: Líder sírio diz que não se curvará diante de pressão internacional

O local da reunião dessa quinta-feira no Cairo, onde fica a sede da Liga Árabe, teve de ser transferido por conta dos contínuos protestos na praça Tahrir contra a junta militar que governa o Egito.

Na quarta-feira, a França sugeriu a criação de uma zona humanitária para proteger os civis dentro da Síria. Essa foi a primeira vez que uma potência considerou uma intervenção internacional. Entretanto, o chanceler francês Alain Juppé garantiu, após reunião com a liderança do Conselho Nacional Sírio, que uma invasão militar não está nos planos.

Pelo menos 40 civis, incluindo seis crianças, foram mortas na Síria nos últimos três dias, segundo relatos de ativistas ouvidos pela BBC.

Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: síriaassaddamascoliga árabemissãoviolênciaprotestofrança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG