Líderes europeus dizem que transição no Egito deve começar agora

Em comunicado conjunto, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Itália e Espanha condenam "os que encorajam a violência"

iG São Paulo |

Os líderes de França, Alemanha, Grã-Bretanha, Itália e Espanha divulgaram um comunicado conjunto nesta quinta-feira no qual afirmaram que a transição política no Egito deve começar "agora". O comunicado europeu é divulgado um dia depois de choques entre manifestantes pró e contra o presidente egípcio, Hosni Mubarak, deixarem ao menos cinco mortos e mais de 800 feridos na praça Tahrir, no Cairo.

No comunicado, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, a chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o premiê italiano, Silvio Berlusconi, e o chefe do governo espanhol, José Luis Rodrigues Zapatero, fizeram um apelo por uma transição "rápida e ordenada que leve a um governo amplo.

"O processo de transição deve começar agora", afirmaram os líderes, que também condenaram "todos os que encorajam a violência, que apenas vai agravar a crise política no país".

Na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já tinha dito que a transição deveria começar "agora" . O líder fez a declaração horas depois de o presidente do Egito, Hosni Mubarak, anunciar que não irá concorrer as eleições presidenciais programadas para setembro.

Obama disse ter conversado com Mubarak e afirmou que o líder egipcio "reconhece que o status quo não é sustentável e que é necessária uma mudança". "O que está claro, e o que indiquei esta noite ao presidente Mubarak, é minha convicção de que uma transição ordenada deve ser pacífica e deve começar agora", ressaltou Obama.

O líder americano ressaltou ainda que o processo deve incluir "um amplo espectro" de vozes egípcias dos partidos de oposição e deve levar a eleições "livres e justas".

Na quarta-feira, os Estados Unidos condenaram a violência na capital egípcia.

"Estamos extremamente preocupados com os ataques contra jornalistas e manifestantes pacíficos. Repetimos nosso forte pedido por moderação", ressaltou Gibbs.

O Departamento de Estado americano também pediu calma aos manifestantes do Egito. "O caminho do Egito para a mudança democrática deve ser pacífico", disse o porta-voz P.J. Crowley pelo Twitter. "A sociedade civil que o Egito quer construir uma impressa livre", completou. Crowley disse também que quanto mais cedo o Egito tiver eleições livres e justas melhor será. De acordo com o porta-voz, os EUA querem ver o que chamam de livres, justas e críveis eleições. “Quanto antes puder acontecer, melhor”, ressaltou. Segundo ele, qualquer decisão sobre a votação presidencial depende do povo egípcio.

Com AP

    Leia tudo sobre: egitoprotestoshosni mubarakeuropaeuaobama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG