Líder forma comitê para estudar suspensão de emergência na Síria

Medida é anunciada um dia após discurso em que rejeitou revogar lei; para professor, Assad só quer ganhar tempo com manifestantes

Reuters |

AP
Sírios assistem discurso do presidente Bashar al-Assad em Damasco (30/03)
Em meio a manifestações por maiores liberdades no país, o presidente sírio, Bashar al-Assad, anunciou nesta quinta-feira o estabelecimento de um comitê para estudar a substituição da lei de emergência, em vigor há décadas, por uma legislação antiterrorismo.

A agência de notícias estatal Sana anunciou nesta quinta-feira que o comitê vai estudar e redigir uma "legislação, incluindo a proteção da segurança da nação e da dignidade dos cidadãos, e o combate ao terrorismo, abrindo o caminho para a revogação da lei de emergência".

A agência disse que o comitê vai concluir seu trabalho até 25 de abril, mas não deu mais detalhes.

A revogação da lei de emergência, usada há décadas para sufocar qualquer oposição ao governo monolítico do partido Baath, vem sendo uma reivindicação central dos manifestantes, que já causaram duas semanas de protestos que deixaram mais de 60 mortos.

Na semana passada, autoridades sírias disseram que foi tomada a decisão de abolir a legislação de emergência.

Mas, na quarta-feira, nas primeiras declarações públicas desde o início da onda de protestos , Assad não fez referência à rescisão da lei nem a um cronograma para as reformas sugeridas , incluindo a legislação sobre partidos políticos, liberdade de imprensa e combate à corrupção.

Os EUA disseram que o discurso de Assad não atendeu às expectativas levantadas na semana passada pelos assessores do presidente, quando, no auge dos protestos, disseram que ele anunciaria um programa claro de reformas.

O anúncio desta quinta-feira dificilmente convencerá os céticos. "Em nossa parte do mundo, quando se cria um comitê significa que se quer enterrar uma questão", disse Hilal Khashan, professor de ciência política da Universidade Americana de Beirute. "Ele (Assad) está querendo ganhar tempo."

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeprotestosBashar al-Assad

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG