CNT promete declaração para este fim de semana enquanto cresce pressão por explicações sobre como líder deposto foi morto

O governo interino da Líbia afirmou que anunciará a libertação do país neste fim de semana, uma declaração que dará início à transição democrática no país após meses de conflito armado que culminaram na morte do líder deposto Muamar Kadafi .

Mas o anúncio de vitória pode ser ofuscado pelas crescentes dúvidas sobre como Kadafi foi morto , após imagens indicarem que ele foi capturado vivo e maltratado por combatentes. Jornais de todo o mundo estamparam na primeira página fotos fortes do líder deposto após sua captura ou morte.

Veja como a imprensa mundial noticiou a morte de Kadafi:

A aguardada libertação da Líbia acontecerá mais de dois meses depois de as forças do Conselho Nacional de Transição (CNT) terem tomado a capital, Trípoli. A resistência continuou em poucas áreas, principalmente Bani Walid e Sirte, cidade natal de Kadafi e o local onde ele foi morto.

Leia também: Saiba os relatos que indicam os últimos momentos de Kadafi

O CNT havia dito que, após declarar a libertação do país, nomearia um governo interino em até um mês e realizaria eleições para uma assembléia constitucional em oito meses. As eleições parlamentares e presidenciais estão previstas para acontecer um ano depois.

Imagem de vídeo divulgada pelo CNT mostra o filho de Kadafi, Mutassim, tomando água e fumando após ser capturado e antes de ser morto
AFP
Imagem de vídeo divulgada pelo CNT mostra o filho de Kadafi, Mutassim, tomando água e fumando após ser capturado e antes de ser morto

Em discurso na Jordânia, o premiê líbio, Mahmoud Jibril, afirmou que a prioridade para o CNT, agora é desarmar a população.

Ele acrescentou que os líbios devem lembrar a “agonia” do passado e escolher um caminho diferente para o futuro.

Enquanto isso, crescem as dúvidas sobre as circunstâncias da morte de Kadafi, cujo corpo foi exposto em um frigorífico na cidade de Misrata.

O funeral vem sendo adiado, contrariando a tradição muçulmana, aparentemente devido a desentendimentos entre as diversas facções que derrubaram o regime sobre o que fazer com o corpo.

Autoridades do CNT disseram que o corpo passou por uma autópsia neste sábado, mas que os resultados ainda não foram divulgados.

A família do coronel pediu que os corpos sejam liberados o mais rapidamente possível e, a ssim como a ONU , quer uma investigação completa sobre as circunstâncias da morte do ex-líder líbio.

Até o momento, o CNT insiste em que a morte de Kadafi ocorreu durante uma troca de tiros entre opositores e aliados do coronel.

Mas, com as evidências divulgadas até agora, observadores não descartam a possibilidade de que ele tenha sido sumariamente executado.

O governo americano pediu que o CNT explique os acontecimentos de quinta-feira de "forma aberta e transparente", enquanto a Rússia diz que a forma como o ex-líder morreu "levanta uma série de questões".

Um vídeo divulgado na sexta-feira indica que Kadafi foi capturado vivo. Nas imagens, ele aparece sendo conduzido por combatentes de oposição que, com armas apontadas para o coronel, discutiam se deviam matá-lo ou não.

Horas depois, ele foi declarado morto, por um ferimento a bala na cabeça. Não se sabe quem disparou o tiro.

Questões similares envolvem a morte de Mutassim, filho de Kadafi, filmado vivo pouco após sua captura. As imagens o mostram sentado em local não identificado, com as roupas sujas de sangue, fumando um cigarro e bebendo água, após ser capturado. Ele também teria sido morto a tiros.

Otan - que age na Líbia com anuência de um mandado da ONU - se prepara para concluir suas operações militares no país norte-africano. O secretário-geral da aliança, Anders Fogh Rasmussen, disse que em princípio a ofensiva será mantida até 31 de outubro, e que a Otan vai garantir que "não haja ataques contra civis durante o período de transição".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.