Kadafi aparece em público em sua residência de Trípoli, diz TV

Em referência à ofensiva internacional contra seu regime, o líder líbio diz que 'as massas são as defesas antiaéreas mais fortes'

iG São Paulo |

O líder líbio, Muamar Kadafi, fez nesta terça-feira à noite uma aparição em público em sua residência de Bab el-Aziziya, em Trípoli, que foi atingida no domingo por um míssil da coalizão , informou a televisão nacional líbia.

Segundo a televisão, Kadafi fez um breve discurso para partidários reunidos em frente do local. O coronel afirmou que seu país está "preparado para a batalha, seja ela longa ou curta". "Vamos ganhar essa batalha", disse. Ele também afirmou que "as massas são as defesas antiaéreas mais fortes".

AP
Reprodução da TV estatal líbia mostra o líder Muamar Kadafi enquanto faz prununciamento em sua residência em Trípoli
O pronunciamento foi feito enquanto tropas lhe são leais reforçaram nesta terça-feira seus combates contra os rebeldes em várias cidades do leste e do oeste, apesar dos quatro dias de ataques da coalizão internacional contra suas infraestruturas e equipamentos militares em diversas regiões do país.

A cidade de Misrata, a terceira maior da líbia, a 210 quilômetros de Trípoli, foi objeto nesta terça-feira de intensos bombardeios por parte de tanques e artilharia pesada de Kadafi, disse Sadon el Mehmeraty, um dos porta-vozes rebeldes da cidade, à rede "Al-Jazeera". As forças aliadas também atacaram nesta terça-feira pelo quarto dia seguido .

O porta-voz afirmou que o ataque das forças do regime com tanques e navios começou no início da manhã e se prolongou durante o dia todo, garantindo que entre as vítimas estão quatro crianças.

Abdel Hafid Ghoga, vice-presidente e porta-voz do Conselho Nacional Transitório (CNT), órgão de direção dos rebeldes no leste do país, afirmou na segunda-feira que em Misrata a situação era "crítica" e que a cidade estava sem eletricidade, água corrente e gasolina.

Segundo fontes rebeldes, as tropas do regime conseguiram entrar em algumas zonas da cidade, se protegendo com isso de um possível ataque das forças aliadas. Um porta-voz militar de Kadafi assegurou nesta tarde  que Misrata estava sob controle do regime, o que foi desmentido pelos rebeldes.

Os bombardeios de segunda-feira deixaram pelo menos 40 mortos, indicaram nesta terça-feira testemunhas citadas pela "Al-Jazeera", enquanto algumas fontes rebeldes asseguraram que o número de feridos supera os 300.

Em Ajdabiya, a 160 quilômetros ao sul de Benghazi, aumentaram os confrontos entre as tropas de Kadafi e os combatentes rebeldes, segundo o correspondente da rede, que chegou a nove quilômetros da cidade até um ponto onde os rebeldes estavam sendo atacados.

A TV mostrou imagens de colunas de fumaça preta na parte oriental da cidade, onde os enfrentamentos se concentram, segundo o jornalista, que afirmou que várias pessoas morreram, mas não informou um número.

Além disso, assegurou que as tropas de Kadafi utilizaram lança-mísseis e tanques para bombardear o local e que alguns franco-atiradores disparavam contra qualquer veículo que se aproximasse. Ajdabiya é um ponto estratégico para o controle da zona leste do país, já que é ligada por uma estrada a Benghazi e por outra a Tobruk, perto da fronteira com o Egito.

A cidade de Zenten, no oeste do país a cerca de 150 quilômetros da capital, também sofreu intensos ataques por parte das forças do regime.

O ataque de segunda-feira das forças da coalizão internacional alcançou os arredores de Sirte, a cidade natal de Kadafi, a meio caminho entre Trípoli e Benghazi, além de instalações de radares e duas bases aéreas no leste de Benghazi, segundo as TVs árabes.

A televisão líbia insistiu que os ataques aliados continuaram atingindo alvos civis e afirmou que os bombardeios internacionais se estenderam na noite de segunda-feira pela cidade de Sebha, no sul da Líbia e uma das fortalezas das tribos que apoiam Kadafi.

Segundo o canal estatal, os ataques da coalizão internacional sobre dois importantes aeroportos causaram "muitas" vítimas civis. Nesta terça-feira soube-se que um avião militar americano caiu na noite de segunda-feira no nordeste da Líbia por causa de um problema técnico, segundo o comando militar americano, que afirmou que seus dois pilotos usaram os paraquedas e estão a salvo após serem resgatados pelos rebeldes.

Por sua parte, o general Khalifa Omar el Mesmari, chefe de uma brigada das forças especiais de Kadafi em Benghazi, anunciou nesta que desertou e passou para o bando rebelde, em um vídeo divulgado pela "Al-Jazeera".

*Com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: líbiakadafitrípolieuaonuzona de exclusão aérea

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG