Jornalistas da Reuters são libertados na Síria

Produtora e cinegrafista foram detidos quando se preparavam para deixar o país em direção ao Líbano

iG São Paulo |

Dois jornalistas da agência de notícias Reuters foram libertados pelas autoridades sírias nesta segunda-feira, depois de serem detidos na capital Damasco quando se preparavam para deixar o país de volta para o Líbano.

A produtora de televisão Ayat Basma e o cinegrafista Ezzat Baltaji retornaram para o Líbano, onde trabalham, e disseram que estavam bem.

"A Reuters está preocupada por seus jornalistas terem sido detidos e mantidos incomunicáveis por tanto tempo. Estamos muito contentes que foram libertados e estamos ansiosos para dar as boas-vindas a Ayat e Ezzat", disse o editor-chefe da Reuters, Stephen Adler. 

Basma e Baltaji, libaneses e sediados em Beirute, viajaram à vizinha Síria para cobrir os protestos, que nas duas últimas semanas se tornaram o maior desafio do governo de 11 anos do presidente Bashar al-Assad.

Autoridades sírias disseram que os jornalistas foram detidos e interrogados, porque não tinham permissão para trabalhar na Síria, e haviam filmado "em uma área onde a filmagem não é permitida".

Eles entraram em contato com seus colegas pela última vez na noite de sábado, e o paradeiro deles não estava claro até pouco depois de serem libertados na segunda-feira.

Basma, que também cobriu os protestos na Tunísia, Egito e Iraque, trabalha na Reuters desde fevereiro de 2007, enquanto Baltaji trabalha para a empresa desde abril de 2008.

Na sexta-feira, as autoridades sírias retiraram o credenciamento de um correspondente estrangeiro da Reuters sediado em Damasco, alegando que ele publicou informações "não-profissionais e falsas" sobre os acontecimentos na Síria.

*Com Reuters

    Leia tudo sobre: síriarevolta no mundo árabejornalistasreuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG