Jornalistas da AFP são libertados em Trípoli

Os profissionais foram soltos após um pedido de Muamar Kadafi

AFP |

AFP
Jornalistas soltos pelas forças de Kadafi
Dois jornalistas da agência France-Presse e um fotógrafo da Getty Images, detidos no sábado na região de Ajdabiya (leste da Líbia), foram libertados na noite desta terça-feira em Trípoli, constatou a AFP.

Os jornalistas Dave Clark e Roberto Schmidt, e o fotógrafo Joe Raedle, da Getty Images, já estão no hotel Rixos, no centro de Trípoli.

O presidente da AFP, Emmanuel Hoog, destacou que "todos aqueles que pensam a cada instante de suas vidas que a liberdade não é apenas uma palavra se alegram profundamente nesta hora por Dave Clark, Roberto Schmidt e Joe Raedle recobrarem esta mesma liberdade, tão necessária para a expressão de suas vidas, de seu talento e de sua profissão"."Estas libertações são fruto de toda uma equipe, de toda uma redação e de toda uma empresa, a AFP.

Agradeço, dentro da empresa, a todos e a cada um por sua mobilização, ao governo francês por sua determinação para encontrar uma saída justa e feliz (...) e às autoridades líbias por sua rapidez, após meu pedido urgente de libertação de jornalistas cuja única missão era relatar a realidade da situação que enfrenta hoje a Líbia".

A decisão de libertar os três jornalistas tinha sido anunciada horas antes pelo porta-voz do regime líbio, Mussa Ibrahim. "O líder da revolução (Muamar Kadafi) recebeu um pedido da agência francesa de notícias, de seu presidente Emmanuel Hoog, e o líder basicamente pediu que o Estado líbio e o governo libertem esses jornalistas e, de fato, eles serão libertados em uma ou duas horas".

"Poderão retornar com suas famílias, se for seu desejo, ou permanecer e trabalhar legalmente em Trípoli". Clark, Schmidt e Raedle foram detidos no sábado na região de Ajdabiya por tropas leais a Kadafi.

    Leia tudo sobre: LíbiaconflitojornalistasKadafi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG