Jornalista francesa ferida na Síria faz apelo para deixar o país

Em vídeo, Edith Bouvier diz ter quebrado o fêmur e pede um carro para sair de Homs, cidade atacada pelo governo há 20 dias

BBC Brasil |

selo

Uma jornalista francesa ferida em um ataque na Síria fez nesta quinta-feira um apelo ao governo do país, pedindo um cessar-fogo que a permita sair dali para ser operada com urgência.

Edith Bouvier, repórter do jornal Le Figaro, foi atingida pela mesma bomba que matou os jornalistas Marie Colvin e Rémi Ochlik - de nacionalidades americana e francesa, respectivamente - na conflagrada cidade de Homs, na última quarta-feira. As mortes evidenciaram a crise vivida em Homs, que está há semanas sob ataque das tropas do governo de Bashar al-Assad.

Em um vídeo gravado e divulgado na internet por opositores sírios, Bouvier diz que está com o fêmur quebrado e que, apesar dos esforços dos médicos locais, não pode ser tratada na Síria. Ela pede um carro que a leve ao Líbano.

Leia também: ONU tem lista de sírios envolvidos em 'crimes contra a humanidade'

O vídeo também contém um depoimento do jornalista fotográfico francês William Daniels, que reitera o apelo para que Bouvier possa deixar a Síria. Ele diz que escapou por pouco do bombardeio e agregou que a situação está "muito difícil" para as pessoas retidas em Homs. Enquanto ele depõe à câmera, é possível ouvir uma bomba explodindo no lado de fora.

Há relatos de dezenas de mortos em Homs - um dos principais bastiões da oposição - por conta da ofensiva das tropas do governo. Relatos também dão conta de que a população civil não está conseguindo deixar a cidade.

Veja o vídeo em que a jornalista faz um apelo para deixar a Síria:

    Leia tudo sobre: síriahomsmundo árabeprimavera árabefrançaassadjornalistasimprensa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG