Human Rigth Watch denuncia que governo sírio escondeu prisioneiros

ONG afirma que autoridades transferiram centenas de presos para instalações militares para escondê-los de observadores árabes

EFE |

A organização Human Rights Watch (HRW) denunciou na terça-feira que autoridades sírias transferiram centenas de presos para instalações militares para escondê-los dos observadores da Liga Árabe que estão no país para verificar a situação no país.

Leia também: Sírios realizam protesto em Homs em meio à visita de observadores

"A Liga Árabe deveria insistir para ter acesso a todos os centros militares na Síria, como foi estabelecido no acordo feito com o governo", afirmaram os responsáveis da HRW por comunicado.

Um oficial das forças de segurança, que trabalha numa casa de detenção, denunciou à organização que recebeu ordens para ajudar na transferência irregular de presos. O agente disse que, entre 21 e 22 de dezembro, de 400 a 600 prisioneiros foram deslocados do local onde trabalha, declaração que foi confirmada por diversas outras testemunhas, garantiu a HRW.

AFP
Imagem reproduzida de vídeo amador mostra tanque sírio em rua na cidade de Homs (26/12)

Ele explicou que o transporte dos prisioneiros foi feito em veículos civis e caminhões de carga. Os detentos foram levados para uma fábrica de mísseis em Zaidal, nos arredores de Homs. "Minha função dentro da prisão foi reunir os detentos e levá-los para os veículos. Recebi ordens para retirar os presos mais importantes", afirmou o oficial segundo comunicado da Human Rights Watch.

A HRW divulgou ainda o testemunho de um dos prisioneiros transferidos e de alguns moradores de Homs, que afirmaram que os veículos com os presos estavam escoltados por forte segurança. A organização denunciou também que as autoridades sírias deram identificações policiais a militares.

O acordo assinado com a Liga Árabe prevê a retirada do Exército das cidades e zonas residenciais do país.

A denúncia da organização de defesa dos direitos humanos acontece no momento em que observadores da Liga Árabe visitam pela primeira vez a cidade de Homs, o principal reduto da oposição síria.

Segundo os rebeldes, mais de 70 mil pessoas realizaram uma manifestação contra o regime de Bashar al- Assad para receber os observadores. Espera-se que o grupo continue em Homs durante os próximos dias para comprovar se o governo sírio está cumprindo o acordo com a Liga Árabe, que estipula o fim da violência, a retirada das forças de repressão das ruas e a libertação dos presos durante os protestos.

    Leia tudo sobre: síriamundo árabeassadliga árabeprimavera árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG