Grupo de países cria mecanismo para financiar rebeldes na Líbia

Em encontro em Doha, no Catar, representantes de nações que se opõem ao regime de Muamar Kadafi pediram que líder deixe o poder

BBC Brasil |

selo

Representantes de um "grupo de contato" formado por nações que se opõem ao regime de Muamar Kadafi na Líbia anunciaram nesta quarta-feira a criação de um mecanismo para financiar os rebeldes que lutam contra o governo.

O anúncio foi feito ao final de um encontro em Doha, no Catar. O mecanismo financeiro temporário deve proporcionar formas para o Conselho Nacional Transitório (órgão dos rebeldes) e a comunidade internacional "gerenciarem recursos e assegurarem que as suas necessidades financeiras serão atendidas". O documento final do encontro não mencionou valores.

AFP
Rebelde líbio se prepara para ataque na cidade de Ajdabiya, Líbia
O grupo reunido no Catar foi criado na conferência ministerial sobre a Líbia realizada em Londres no dia 29 de março e é formado por países europeus, os Estados Unidos, aliados americanos do Oriente Médio e diversas organizações internacionais.

Na reunião no Catar, o grupo pediu também a "saída imediata" de Kadafi. O comunicado final do encontro "afirma que o regime de Kadafi perdeu toda a legitimidade e (ele) deveria deixar o poder e permitir aos líbios decidir seu futuro".

O encontro marcou a primeira vez em que o Conselho Nacional Transitório líbio teve uma participação efetiva em um evento internacional.

No início da semana, os rebeldes rejeitaram uma proposta de paz da União Africana por ela não falar na saída imediata de Kadafi.

Cenários

Ao abrir o encontro, o príncipe do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad al-Thani, disse que a Líbia enfrenta uma crise humana e que a alegação de Kadafi, de que a crise seria causada por extremistas, "mancha a imagem da população".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon disse que a situação no país continua piorando. "No pior cenário, até 3,6 milhões de pessoas vão precisar de ajuda humanitária", disse ele. A Líbia tem cerca de 6 milhões de habitantes. Ele disse também que "2,7 mil pessoas cruzam as fronteiras líbias para o Egito e a Tunísia diariamente e que já há cerca de 330 mil desalojados internos no país".

No país, prosseguem os combates entre forças pró e contra Kadafi, com relatos de fortes explosões na capital Trípoli. A TV líbia diz que bombardeios da Otan atingiram as cidades de Al-Aziziya e Sirte. Há relatos de que rebeldes teriam feito avanços na cidade de Misrata, a única controlada por opositores do regime no oeste do país.

    Leia tudo sobre: líbiakadafiprotestosoposiçãorebeldescatar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG