Governo do Kuwait apresenta renúncia em meio à crise política

Oposição acusa governo liderado por primeiro-ministro Nasser Mohammed al-Ahmad Al-Sabah de corrupção e incompetência

iG São Paulo |

A decisão do governo do Kuwait de apresentar sua renúncia, anunciada nesta quinta-feira e provocada por pressões da oposição parlamentar, deu origem a uma nova crise institucional no pequeno país do Golfo Pérsico, normalmente propenso à volatilidade política.

AFP
Ministro das Relações Exteriores do Kuwait, Mohammed Al-Sabah, fala sobre expulsão de diplomatas acusados de espionagem
A renúncia, que ocorre em meio às rebeliões em outros países do mundo árabe, marca o sexto gabinete liderado pelo primeiro-ministro Nasser Mohammed al-Ahmad Al-Sabah a se demitir desde sua posse, há cinco anos. Além disso, o Parlamento já foi dissolvido três vezes no mesmo período.

"O gabinete kuwaitiano acaba de enviar sua renúncia em uma reunião extraordinária", Rudhan al-Rudhan, ministro de Estado para Assuntos de Gabinete, citado pela agência estatal de notícias KUNA.

Em meio às pressões da oposição, que acusa o primeiro-ministro de incompetência e defende sua renúncia, cabe ao emir, xeque Sabah al-Ahmad Al-Sabah, tomar a decisão. Depois de aceitar a renúncia do gabinete, o emir deverá resolver se mantém o xeque Nasser no cargo ou se apontará um outro premiê para formar novo gabinete.

Início

A crise teve início quando um grupo de deputados solicitou ao Parlamento a demissão do vice-primeiro-ministro para Assuntos Econômicos e dos ministros das Relações Exteriores e da Informação, todos membros da família Al-Sabah, acusando-os de corrupção.

Na semana passada, os deputados liberais Adel al-Saraawi e Marzouk al-Ghanem lançaram uma acusação de corrupção contra o xeque Ahmad Fahad al-Sabah, vice-primeiro-ministro para Assuntos Econômicos, que teria se beneficiado de contratos ilegais no valor de US$ 900 milhões.

Antes disso, o deputado xiita Faisal al-Duwaisan pediu audiências para interrogar o ministro da Informação e Petróleo, xeque Ahmad Abdullah Al-Sabah. Outro deputado, Saleh Ashour, também xiita, denunciou por sua vez o ministro das Relações Exteriores, xeque Mohammed Al-Sabah.

Campanha

As denúncias coincidem com uma campanha da oposição pela saída do primeiro-ministro. Nesta quinta-feira, vários parlamentares dirigiram-se pessoalmente ao xeque Sabah para pedir a substituição do xeque Nasser, afirmando que ele não está sendo capaz de melhorar a vida do povo kuwaitiano apesar dos altos lucros proporcionados pela venda de petróleo.

"Queremos um novo governo, com um novo primeiro-ministro para estabelecer um novo rumo (...). Se o xeque Nasser permanecer, todos os problemas voltarão e a crise será prolongada", advertiu Faisal al-Muslim, deputado islamita.

Segundo al-Muslim, os governos dirigidos pelo xeque Nasser gastaram cerca de US$ 330 bilhões  nos últimos cinco anos, sem que tenha havido qualquer impacto significativo no desenvolvimento do país - que possui 10% das reservas de petróleo do planeta e produz 2,3 milhões de barris por dia.

Expulsão

Em meio à crise, o ministro das Relações Exteriores kuwaitiano, xeque Mohamad Al Sabah, anunciou a expulsão de diplomatas iranianos acusados de espionagem. "Haverá medidas contra um grupo de diplomatas iranianos. Serão considerados persona non grata e expulsos do Kuwait", anunciou o ministro.

Na véspera, o jornal Al Watan indicou, citando o chanceler, que o emirado havia mandado chamar seu embaixador no Irã. As medidas acontecem depois da condenação à pena capital de três pessoas acusadas de espionar para Teerã. Na terça-feira, um tribunal do emirado do Golfo condenou à morte dois iranianos e um kuwaitiano, detidos em maio de 2010, por pertencer a uma célula de espiões do Irã.

*Com AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: Kuwaitrevolta no mundo árabeafrica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG