Forças pró-Kadafi avançam em território controlado por rebeldes

Opositores perdem controle de cidades importantes enquanto Liga Árabe apoia formalmente zona de exclusão aéra

iG São Paulo |

Forças leais ao líder da Líbia, Muamar Kadafi, lançaram neste sábado uma ofensiva sobre a cidade portuária de Misrata, controlada pela oposição e localizada entre Sirte e a capital, Trípoli. "Estamos ouvindo granadas. Não temos opção senão lutar", disse um opositor que vive na cidade.

Nos últimos dias, as Forças pró-Kadafi intensificaram os ataques sobre territórios controlados pela oposição. O general Abdel-Fattah Younis, ex-ministro líbio do Interior que deixou o cargo para se unir aos manifestante antigoverno, disse à agência Associated Press que as forças de Kadafi estão a 40 km de Brega, cidade petrolífera que ainda é controlada pelos rebeldes.

AP
Opositores sentam-se perto de munição na cidade de Brega, na Líbia

Os rebeldes, porém, foram forçados a sair de outra importante cidade petrolífera, Ras Lanouf, após vários dias de combates intensos. A derrota foi bastante significativa, mas Younis afirmou que a oposição fará uma ofensiva para retomar Ras Lanouf ainda neste sábado ou no domingo.

Neste sábado, o governo líbio levou repórteres internacionais à cidade de Bin Jawwad, que também chegou a ser controlada por rebeldes mas foi recuperada pelas forças pró-Kadafi. Os violentos confrontos deixaram marcas no municío: uma delegacia de polícia foi completamente destruída, uma escola foi danificada, casas e carros foram abandonados e as ruas estão cheias de lixo.

Liga Árabe

Também neste sábado, os países-membros da Liga Árabe apoiaram oficialmente a criação de uma zona de exclusão area sobre a Líbia neste sábado, como forma de impedir ataques aéreos do governo contra opositores que exigem sua renúncia.

Durante reunião no Cairo, capital do Egito, os ministros das Relações Exteriores dos países árabes também decidiram iniciar um contato com a liderança rebelde da Líbia reunida no Conselho Nacional de Transição Interino (CNTR).

Apenas dois dos 22 países da Liga Árabe não apoiaram as decisões divulgadas neste sábado: Argélia e a Síria, que foram acusados de colaborar com o regime de Kadafi pelo vice-presidente do CNTR, Abdelhafiz Ghoga. 

"Argélia e Síria colaboram contra nosso povo e a revolução de nosso povo", disse ele, acrescentando ter provas de que a Argélia fretou voos para levar mercenários à capital da Líbia, Trípoli, desde que começaram os protestos.

O apoio da Liga Árabe à zona de exclusão aérea na Líbia não surpreendeu, já que há cerca de uma semana o ministério francês das Relações Exteriores, Alain Juppé, disse que o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, era favorável à medida.

A Liga Árabe não tem poder para impôr a zona de exclusão aérea, mas a decisão mostra apoio regional à medida, que também está sendo discutida pela União Europeia, a Otan e a ONU.

Com AFP, EFE e BBC

    Leia tudo sobre: líbiamundo árabekadafizona de exclusão aérea

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG