Forças anti-Kadafi aumentam cerco a focos de resistência

Rebeldes fazem cerco em Bani Walid, uma das poucas cidades sob controle das forças que apoiam o líder deposto

BBC Brasil |

selo

Centenas de combatentes leais ao novo governo interino da Líbia aumentaram neste domingo o cerco sobre Bani Walid, uma das poucas cidades do país ainda sob controle das forças que apoiam o líder deposto Muamar Kadafi.

Os combatentes chegaram à cidade por três diferentes pontos e deram um ultimato às forças pró-Kadafi para se renderem ou enfrentarem um ataque. Um comandante afirmou à BBC que suas tropas esperavam entrar na cidade entre este domingo e a segunda-feira.

A cidade no deserto ficou em evidência no mês passado, quando foram disseminados rumores de que dois dos filhos de Kadafi teriam viajado por Bani Walid depois de fugirem de Trípoli. Segundo alguns relatos, alguns membros da família do ex-líder ainda estariam na cidade.

No sábado, o chefe do Conselho Nacional de Transição (CNT), que pretende assumir o poder no país oficialmente nesta semana, afirmou que seus soldados também mantêm o cerco sobre Sirte, cidade natal de Kadafi, e sobre as cidades de Jufra e Sabha.

O presidente do CNT, Mustafa Abdel Jalil, afirmou que as cidades estão recebendo ajuda humanitária, mas que têm uma semana para se render "para evitar mais derramamento de sangue".

Negociações

Segundo alguns relatos não confirmados, Saif al-Islam e Mutassim Kadafi, dois dos filhos do ex-líder líbio mais ativos politicamente, teriam se entrincheirado na cidade desértica, cercados por apoiadores armados, e estariam prontos a resistir até o final, segundo o correspondente da BBC em Trípoli Kevin Connolly.

Segundo Connolly, porém, a situação parece menos clara do que aparentava inicialmente, com alguns apoiadores de Kadafi fugindo de Bani Walid, enquanto outros estariam dispostos a negociar uma rendição.

Para alguns analistas, a tomada dos últimos bastiões de resistência pró-Kadafi é necessária para que o CNT consolide o controle sobre todo o país para poder formar um governo significativo e eliminar a ameaça do antigo regime.

O paradeiro de Khadafi permanece desconhecido. Seu porta-voz, Moussa Ibrahim, afirmou à agência de notícias Reuters em uma entrevista telefônica que o coronel estaria em algum lugar na Líbia, cercado em segurança por apoiadores leais.

O CNT anunciou no sábado que está aumentando seus esforços para a reconstrução do país e afirmou que pretende mover sua sede de Benghazi, no leste do país, para a capital, Trípoli, na próxima semana para se declarar formalmente como o novo governo do país.

Segundo analistas, a demora do CNT em assumir formalmente o governo do país poderia gerar temores sobre um possível vácuo de poder na capital.

    Leia tudo sobre: líbiaprotestosmundo árabekadafi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG