Filha de Kadafi quer investigação do TPI sobre a morte de seu pai

Advogado de Aisha escreveu ao Tribunal Penal Internacional que Kadafi e Mo'tassim foram 'assassinados de forma terrível'

iG São Paulo |

Um advogado da filha de Muamar Kadafi disse na quarta-feira que escreveu ao procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI) perguntando se as mortes do pai e de um irmão dela estão sendo investigadas.

Leia também: Fim sem misericórdia levanta questão: quem matou Kadafi?

AP
Muamar Kadafi em foto sem data

A Reuters teve acesso a uma cópia da carta, que diz que Kadafi e seu filho Mo'tassim foram "assassinados da forma mais terrível, com seus corpos posteriormente exibidos e grotescamente abusados, em completa violação da lei islâmica".

"As imagens dessa selvageria foram transmitidas no mundo todo, causando forte perturbação emocional à minha cliente", disse a carta assinada por Nick Kaufman, advogado de Aisha Kadafi.

"Até a presente data, nem a sra. Kadafi nem qualquer membro da sua família foram informados, por parte do seu gabinete, do início de uma investigação sobre as circunstâncias que cercam os brutais homicídios", diz a carta.

Muamar e Mo'tassim Kadafi foram capturados em outubro na cidade natal deles, Sirte, após passarem dois meses foragidos das forças rebeldes que tomaram o poder na Líbia.

Eles foram mortos logo depois de serem detidos, quando já estavam sob custódia de combatentes leais ao novo governo. As circunstâncias dessas mortes não foram totalmente explicadas. Em um vídeo muito difundido na época , Kadafi aparece sujo e desnorteado, sendo intimidado pelos inimigos.

Veja o vídeo que traz imagens de Kadafi vivo (imagens são fortes)

Aisha e outros parentes de Kadafi fugiram para a Argélia em agosto, quando os rebeldes tomaram Trípoli , a capital.

O TPI, com sede em Haia, expediu meses atrás um mandado de prisão contra Muamar Kadafi e outro filho dele, Saif al-Islam, e contra o ex-chefe de inteligência Abdullah al-Senussi - todos acusados de crime contra a humanidade na repressão à rebelião na Líbia.

De acordo com a AFP, não se pode confirmar se a instituição recebeu ou não a carta do advogado de Aisha.

Na carta, o advogado também pede ao TPI que pressione o novo governo líbio a investigar a morte do ex-governante e de seu filho, e que examine relatos de que a Otan teria bombardeado o comboio de Kadafi momentos antes da sua captura.

"O seu gabinete está investigando o ataque supostamente realizado pelas forças da Otan a fim de determinar se a responsabilidade criminal individual deve ser imputada a um ataque militar ilegal?", pergunta o advogado.

Com Reuters e AFP

    Leia tudo sobre: líbiamorte de kadafifilhakadaficntargélia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG