Ex-ministro é indiciado pela morte de manifestantes no Egito

Habib Al-Adli será processado pela morte de manifestantes durante os protestos que levaram à queda do ex-presidente Hosni Mubarak

BBC Brasil |

selo

A Promotoria do Egito anunciou nesta quarta-feira que o ex-ministro do Interior Habib Al-Adli será processado pela morte de manifestantes durante os protestos que levaram à queda do ex-presidente Hosni Mubarak, em fevereiro.

Segundo um comunicado divulgado nesta terça-feira, Adli é acusado de ordenar que os policiais abrissem fogo contra a multidão, em protestos ocorridos a partir de janeiro na capital, Cairo, e em outras cidades egípcias.

A procuradoria se referiu a Adli como responsável pela "morte premeditada e deliberada de alguns manifestantes". De acordo com o canal de TV árabe Al-Jazeera, o ex-ministro também enfrenta processo por lavagem de dinheiro em uma investigação sobre corrupção entre os militares, feita pela junta militar que controla o país interinamente. Além de Adli, outros quatro chefes de segurança da região do Cairo também serão indiciados: Ismail Al-Shaer, Adly Fayed, Ahmed Ramzi e Hassan Abdel Rahman.

Organizações de direitos humanos e pró-democracia acusam as forças de segurança do Egito de terem sido violentas e de terem realizado torturas durante os protestos. Pelo menos 350 pessoas morreram durante as manifestações e milhares ficaram feridas.

No início do mês, o atual ministro do Interior, Mansur Essawy, decidiu extinguir o setor do Ministério do Interior que monitorava os dissidentes políticos durante o governo de Mubarak, que permaneceu quase 30 anos no poder.

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakprotestosmundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG