Exército sírio retoma bombardeios em Homs

Mais de 500 projéteis atingiram casas e mesquitas; o único hospital da cidade também foi alvo de bombardeios

EFE |

O Exército sírio retomou nesta terça-feira os bombardeios sobre a cidade de Homs, um dos principais redutos da oposição e onde morreram ontem mais de 60 pessoas , segundo os grupos opositores. A Comissão Geral da Revolução Síria precisou que o Exército ataca com artilharia o bairro de Bab Amro, um dos mais atingidos durante o bombardeio de ontem.

Leia também: - EUA fecham embaixada na Síria e retiram diplomatas do país
- Irã sente impacto de instabilidade na Síria

O grupo detalhou que, desde o início da manhã de hoje, mais de 500 projéteis atingiram casas, mesquitas e áreas onde os cidadãos costumam manifestar-se. O hospital Al Maidani, o único centro sanitário da zona, também foi alvo dos bombardeios, que deixaram um número indeterminado de vítimas entre seu quadro de funcionários. Além disso, não há material médico nem remédios para atender os feridos, e os alimentos estão acabando.

A Comissão acrescentou que não é possível sair às ruas porque há franco-atiradores postados em terraços que disparam contra tudo o que se movimenta. Estes fatos ocorrem um dia depois de mais de 60 pessoas terem morrido em bombardeios em Homs, dos quais apenas 30 puderam ser enterradas às escondidas por moradores do bairro durante a noite.

Na sexta-feira passada, Homs foi cenário de um massacre perpetrado pelas forças leais ao presidente Bashar al-Assad, o que deixou entre 147 e 260 vítimas fatais , segundo diferentes fontes opositoras. O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, deverá visitar Damasco hoje para se reunir com Assad, depois do veto de seu país e da China a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que apoiava o plano de transição da Liga Árabe. Desde que começou a revolta contra o regime, mais de 5 mil pessoas morreram pela repressão governamental, segundo dados da ONU, embora os opositores assinalem que as vítimas fatais passam de 7 mil.

    Leia tudo sobre: síriaprotestosmundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG