EUA convidam rebeldes líbios a abrir missão diplomática em Washington

Convite ocorre paralelamente à forte ofensiva da Otan em Trípoli, no maior ataque à Líbia desde começo da campanha da aliança no país

iG São Paulo |

Os Estados Unidos fizeram um convite ao Conselho Nacional de Transição (CNT) da rebelião líbia, oferecendo-lhes a abertura de uma representação diplomática em Washington, anunciou nesta terça-feira em Benghazi Jeffrey Feltman, subsecretário de Estado americano para o Oriente Médio. 

AFP
Jeffrey Feltman, secretário assistente do Departamento de Estado Americano, em Benghazi, na Líbia
"Entreguei em nome do presidente Obama um convite formal ao Conselho Nacional de Transição (CNT) para abrir uma representação em Washington. Fico feliz por terem aceitado", disse Feltman, que está no bastião dos rebeldes desde domingo. 

Na segunda-feira, o subsecretário para o Oriente Médio se reuniu com os principais dirigentes da rebelião, entre eles o líder Mustafah Abdelkhalil. O encontro ocorreu em Benghazi, reduto dos rebeldes, que buscam reconhecimento internacional na tentativa de pressionar o regime do líder líbio, Muamar Kadafi.

Na noite de segunda-feira (horário de Brasília), aeronaves da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) realizaram uma ofensiva de grande magnitude em Trípoli, no maior ataque à Líbia desde o início da campanha da aliança militar ocidental no país, em março. Alguns dos bombardeios parecem ter alvejado o complexo de Kadafi, na capital.

Há registros de entre 12 e 20 explosões em Trípoli nas últimas horas. Após cada uma delas, era possível observar aeronaves da Otan sobrevoando as chamas.

A aliança está agindo na Líbia com mandado da ONU, sob o argumento de proteger os civis líbios das tropas do regime de Kadafi. Moussa Ibrahim, porta-voz do governo líbio, afirmou que a operação deixou três mortos e 150 feridos.

O porta-voz disse que as bombas atingiram tropas da Guarda do Povo, formada por voluntários que apoiam o Exército líbio. Mas agregou que a maioria das vítimas são civis que estavam nos arredores. A informação não pôde ser verificada de forma independente. North relata que, após os bombardeios, parte da população de Trípoli saiu às ruas em manifestação de apoio a Kadafi.

Helicópteros

O bombardeio ocorreu poucas horas depois de o governo francês ter afirmado que mandará, em parceria com a Grã-Bretanha, helicópteros militares para amparar a ação da Otan na Líbia. Os helicópteros permitiriam que as tropas de Kadafi fossem alvejadas com mais precisão. A Grã-Bretanha não confirmou a informação. O jornal francês Le Figaro publicou a informação de que 12 helicópteros teriam sido enviados à Líbia em um cargueiro francês em 17 de maio.

AFP
Cidade de Tajura, a 30 km a leste da capital Trípoli, é alvo de bombardeios
*Com AFP e BBC

    Leia tudo sobre: otanlíbiaconfrontosmuamar kadafirebeldes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG