Emir do Kuwait dissolve Parlamento após renúncia do governo

Uma semana após ter nomeado um novo premiê, Sabah Al-Ahmad Al-Sabah disse que é hora de o povo escolher seus representantes

iG São Paulo |

O emir do Kuwait, xeque Sabah Al-Ahmad Al-Sabah, dissolveu o Parlamento nesta terça-feira e definiu um rumo para as eleições, citando uma "deterioração das condições" em meio a um confronto político cada vez mais acirrado devido ao alto nível de corrupção do governo.

Leia também: Emir do Kuwait aceita pedido de renúncia do governo

AP
Cidadãos do Kuwait se reúnem do lado de fora do Palácio da Justiça, na Cidade do Kuwait, para mostrar solidariedade aos ativistas da oposição (28/11)


A decisão do emir acontece em menos de uma semana depois de ele ter nomeado um novo primeiro-ministro e ter suspendido as sessões parlamentares. As eleições devem ser estabelecidas dentro de 60 dias, o que pode complicar os planos do Pentágono de colocar mais soldados americanos no país, como parte das mudanças em torno da região após a retirada do Iraque no final do mês.

A situação política do Kuwait já estava tensa mesmo antes dos protestos da Primavera Árabe , que varreram os países do norte da África e do Oriente Médio, mas os grupos de oposição foram impulsionados pela agitação regional. Os críticos dos governantes do país afirmam que eles são coniventes com a corrupção generalizada e usam as forças de segurança para esmagar as vozes discordantes.

Embora a família que governa o Kuwait tenha a última palavra em todos os assuntos importantes, o Parlamento do país tem mais poder do que qualquer outra instituição eleita no Golfo e os parlamentares da oposição podem criticar abertamente o governo.

No mês passado, manifestantes invadiram o Parlamento depois de um debate sobre desvio de dinheiro público para contas bancárias fora do país. Autoridades rapidamente impuseram medidas de segurança mais severas.

"Devido à deterioração das condições que criou obstáculos no processo de desenvolvimento e ameaça os interesses do país, se tornou necessário de recorrer ao povo para que escolha seus representantes", disse um comunicado do emir divulgado pela agência oficial de notícias.

Saiba mais: Emir do Kuwait nomeia ministro da Defesa como chefe de governo

No final do mês passado, o emir selecionou o ministro da Defesa , o xeque Jaber Al Hamad Al Sabah, como premiê, substituindo o xeque Nasser Al Mohammad Al Sabah, que sobreviveu a uma série de votos de confiança no Parlamento.

As eleições podem servir como um teste de força para os líderes da oposição - um misto de forças islâmicas conservadoras e políticos liberais. Alguns moradores com tendências ocidentalizantes se preocupam que a votação dê poder aos partidos islâmicos mais radicais.

O Kuwait também foi atingido por uma onda de greves que prejudicou a companhia aérea estatal e ameaçou interromper o fornecimento de petróleo. Em janeiro, o emir liberou subsídios no valor de mil dinares (US$ 3,55) e cupons de comida de graça para cada cidadão. A liberação da verba foi vista como uma tentativa de acalmar os pedidos por reformas políticas.

Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: kuwaitmundo áraberenúnciaparlamentoemir

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG