Embaixada tenta tirar brasileiros de cidade da Líbia

Construtora Queiroz Galvão têm mais de 100 funcionários brasileiros trabalhando na cidade de Benghazi, centro do protestos

AFP |

A diplomacia brasileira tenta, através de seu embaixador na Líbia, obter permissões para retirar em um avião fretado cerca de cem funcionários da construtora Queiroz Galvão de Benghazi (leste), onde tem havido enfrentamentos entre manifestantes e forças de segurança que teriam deixado pelo menos 173 mortos, informou à AFP uma fonte oficial.

O embaixador do Brasil em Trípoli, George Ney de Souza, tramita as permissões de sobrevoo e aterrissagem para um avião fretado pela empresa, que tem 123 funcionários brasileiros trabalhando em Benghazi.

A fonte da chancelaria informou que a companhia "deixou que os funcionários decidissem" se ficam ou se vão, e fretou um avião para retirá-los da região. "Alguns sim (querem ir) e outros não", disse a fonte sobre os funcionários da empresa.

Benghazi, segunda cidade líbia (1.100 km ao leste de Trípoli), é um dos focos da rebelião contra o coronel Muamar Kadhafi, que governa o país petrolífero do norte da África há 42 anos.

Segundo fontes médicas citadas pela organização humanitária Human Rights Watch (HRW), a repressão da rebelião que explodiu na terça-feira passada deixou pelo menos 173 mortos em Benghazi e outras três cidades da mesma região. Na Líbia vivem entre 500 e 600 brasileiros.

A onda de protestos contra os regimes autoritários de países muçulmanos do norte da África e do Oriente Médio começou no mês passado com levantes que depuseram os presidentes de Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, e Egito, Hosni Mubarak.Desde então, teve fortes repercussões na Líbia, no Bahrein e no Iêmen, e este domingo se fez sentir no Marrocos.


    Leia tudo sobre: BrasilLíbiadiplomaciamanifestaçõesviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG