Em julgamento, defesa de Mubarak fala que líder deposto é homem 'limpo'

Em primeiras considerações no julgamento do líder deposto, advogado afirma que Mubarak é vítima de acusações maliciosas

iG São Paulo |

O advogado de defesa de Hosni Mubarak falou nesta terça-feira sobre o presidente deposto do Egito como um líder "limpo" que sempre colocou a lei na frente de tudo e trabalhou sem cansaço por sua nação. A apresentação da defesa ao tribunal também procurou pintar um quadro no qual Mubarak, 83 anos, pareça a vítima de maliciosas acusações, enquanto sua saúde está debilitada.

Leia também:
- Promotoria expõe acusações contra Mubarak em audiência no Egito

- Promotoria do Egito pede pena de morte para Mubarak

AP
Garota egípcia carrega foto de presidente egípcio Hosni Mubarak perto de polícia de choque posicionada do lado de fora de academia de polícia, onde ocorre julgamento

Mubarak é acusado de ser cúmplice na morte de centenas de manifestantes durante os 18 dias de revolta que colocaram fim ao seu regime de 29 anos em fevereiro. Ele pode enfrentar a pena de morte, caso seja considerado culpado.

Advogados dos familiares daqueles que foram mortos ou feridos argumentam que mesmo que Mubarak não tenha dado a ordem direta para os agentes atirarem nos manifestantes, ele falhou em não ter dado horas para que a matança terminasse.

A promotoria depois fez duras críticas quanto ao período que Mubarak esteve no poder, dizendo que ele era responsável diretamente pelas mortes e que ele passou os últimos dez anos no poder garantindo que seu filho Gamal fosse seu sucessor.

Mubarak e seus dois filhos, Alaa e Gamal, também enfrentam acusações de corrupção. Todos os três estavam presentes na corte nesta terça-feira.

Como tem sido comum desde que o julgamento contra o ex-presidente recomeçou, Mubarak foi trazido ao tribunal sobre uma maca - localizado em uma academia de polícia que já levou o nome do líder deposto - de helicóptero do hospital em que está sob custódia. Durante a audiência, ele ficou na jaula dos réus, vestindo óculos escuros e coberto por uma maca.

O juiz Ahmed Rifaat concedeu à defesa de Mubarak cinco audiências para que eles possam fazer suas considerações. "Mubarak não é nem um tirano nem um homem com sede de sangue. Ele respeita o judiciário e suas decisões. Um homem limpo que não se pode dizer nada de errado", disse el-Deeb, que tem a reputação de ser um advogado caro, que geralmente atende celebridades.

"Esse homem que está diante de vocês tem 83 anos e foi fatigado por doenças depois de dedicar toda a sua vida ao serviço da nação. Ele tem enfrentado falas maliciosas. Ele tem sido alvo por todos os lados e sua reputação foi atingida por línguas e canetas", disse el-Deeb, que também defende Alaa e Gamal.

Além dos três, o ex-secretário de segurança Habib el-Adly e seis comandantes da polícia também são réus no caso. El-Adly e quatro de seis comandantes são acusados de serem cúmplices na morte dos manifestantes. Um amigo da família Mubarak, o fugitivo Hussein Salem, também está enfrentando acusações de corrupção.

El-Deeb enraiveceu os advogados das vítimas na terça-feira quando disse que Mubarak apoiou a revolta que o derrubou. Ele citou uma carta que Mubarak escreveu para um amigo de longa data e ministro de Gabinete Ahmed Shafiq, que foi nomeado primeiro-ministro durante a revolta.

Na carta, Mubarak disse que os manifestantes estavam exercendo seu direito de estabelecer protestos pacíficos, mas criminosos e islâmicos infiltrados sabotaram a propriedade pública e desafiaram a "legitimidade" do regime.

Com AP

    Leia tudo sobre: egitomundo árabecairomubarakjulgamentopromotoria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG