Eleitores vão às urnas no segundo dia de votação no Egito

Comparecimento de eleitores foi grande no primeiro dia da histórica eleição que vai definir o novo Parlamento

iG São Paulo |

O Egito realiza nesta terça-feira o segundo dia de votação das histórica eleição parlamentar, a primeira desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak , em fevereiro, após 18 dias de protesto.

Na segunda-feira, o primeiro dia de votação , o comparecimento de eleitores foi grande, apesar das preocupações de segurança. Na semana passada, violentos confrontos entre policiais e manifestantes contrários à junta militar que governa o país deixaram dezenas de mortos.

Leia também: Legado de Mubarak atrapalha nascimento de um novo Egito

Reuters
Homem deposita voto em urna no Cairo (29/11)

A junta militar reconheceu irregularidades e atrasos no primeiro dia de votação, causados por motivos diversos como problemas na entrega de cédulas e falta de tinta. Como resultado, longas filas se formaram em diversos colégios eleitorais do país.

Nesta terça-feira, as filas também podiam ser vistas em cidades como Cairo e Alexandria. Nesta primeira fase da eleição parlamentar, que terá três etapas e será concluída em março, eleitores de nove províncias estão aptos a votar. No total, o país tem 27 províncias.

“Estou votando pelo bem do país. Quero um novo começo”, afirmou Zeinab Saad, 50 anos, acompanhada pela filha em um colégio eleitoral do Cairo. “É ótimo sentir que seu voto importa.”

Os eleitores precisam escolher dois candidatos individuais e uma coalizão ou partido. A expectativa é que a Irmandade Muçulmana, maior e mais organizado grupo político do país, tenha um bom desempenho.

No final da noite de terça-feira, foi registrado um confronto entre vendedores de comida e bebida e ativistas que tentavam retirá-los da praça Tahrir. 

Segundo testemunhas, os dois lados usaram pedras. Ao menos dez ficaram levemente feridos, segundo oficiais de segurança que falaram sob condição de anonimato.

Irregularidades

Na segunda-feira, diferentes partidos denunciaram casos de compra de votos em todo o país.
“Em alguns colégios há gente repartindo comida e bebida entre os eleitores, e em outros estão dando dinheiro mesmo”, disse o diretor de Operações do Partido Egípcios Livres, o mais importante do laico Bloco Egípcio, Walid Daudi Daudi.

Os Egípcios Livres também denunciaram que muitas cédulas não levam o selo da Comissão Eleitoral e parecem ser cédulas falsas.

"Além disso, duas ou três escolas fecharam porque os juízes encarregados de supervisionar o pleito disseram que havia muita gente e os centros não tinham capacidade para que pudessem votar", disse Daudi.

Na entrada de um colégio eleitoral em Alexandria, jornalistas da agência EFE viram um homem entregando dinheiro a um eleitor que acabava de depositar suas cédulas em uma urna. Essa mesma pessoa abordou depois outros eleitores na entrada do colégio.

A junta militar reconheceu outras irregularidades, como a propaganda eleitoral de alguns partidos em frente a pontos de votação.

Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: egitoeleição no egitocairojunta militarhosni mubarakmundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG