Egito planeja afastar policiais envolvidos em repressão a protestos

Manifestantes exigem que autoridades sejam levadas a julgamento por mortes em onda de manifestações que levou à queda de Mubarak

iG São Paulo |

O governo egípcio planeja uma reformulação no alto escalão da polícia para remover oficiais envolvidos na violenta repressão a protestos contrários ao governo em janeiro, segundo o jornal estatal Al-Ahram nesta quinta-feira.

AFP
Manifestantes protestam contra repressão policial com faixa que diz: "Não ao retorno da brutalidade da polícia contra civis", na Praça Tahrir, no Cairo (1º/7)
O anúncio parece ter o objetivo de acalmar a irritação popular com as táticas da polícia antes de grandes manifestações convocadas por grupos de direitos humanos e pró-democracia para a sexta-feira. Ativistas exigem que autoridades policiais sejam levadas a julgamento sob a acusação de matar manifestantes durante o levante de 18 dias que levou à queda do ex-presidente Hosni Mubarak.

Mais de 800 pessoas foram mortas e 6 mil ficaram feridas durante os primeiros dias do levante, quando a polícia usou cassetetes, gás lacrimogêneo, canhões d'água e munição contra manifestantes.

Segundo uma fonte de segurança citada pelo Al-Ahram, todas as autoridades "culpadas dos eventos durante a revolução, especialmente aqueles que aconteceram em 28 de janeiro" serão aposentados.

O dia 28 de janeiro ficou conhecido como Sexta-Feira da Ira e foi um dos episódios mais sangrentos do levante. A onda de violência levou à intervenção do Exército e a polícia recebeu ordens para sair das ruas.

De acordo com a autoridade ouvida pelo jornal, a ideia da reformulação é mudar o pensamento da polícia, para que os policiais tratem os civis com respeito.

*Com Reuters

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakmundo árabepolíciarepressão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG