Conselheiro diplomático de Kadafi renuncia

Ali Tikri, ex-ministro das Relações Exteriores e das Relações Africanas, ainda não disse se vai se juntar aos rebeldes

AFP |

Muamar Kadafi sofreu neste domingo uma nova derrota política e diplomática com a demissão de um de seus conselheiros, Ali Tikri, ex-ministro das Relações Exteriores e das Relações Africanas, que também representou a Líbia nas Nações Unidas e na França.

Tikri se reuniu no Cairo com o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Mussa. Ele deixou suas funções, mas não disse se vai se unir aos rebeldes que querem derrubar Kadhafi, indicaram autoridades da Liga, que pediram para não serem identificadas.

O vice-primeiro-ministro líbio das Relações Exteriores e de Assuntos Europeus, Abdelati Laabidi, chegou à Tunísia neste domingo ao passar pelo posto fronteiriço de Ras Jdir, indicaram testemunhas à AFP. Foi por esse mesmo caminho que o chefe da diplomacia líbia, Mussa Kussa, chegou à Tunísia no dia 28 de março. Dois dias depois, ele voou para Londres, onde anunciou sua renúncia, um duro golpe para Kadafi.

Já o secretário de Estado para Relações Exteriores líbio, Abdelati Obeidi, enviado do governo Kadafi a Atenas, se reuniu neste domingo à noite com o primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou. Após o encontro, o ministro das Relações Exteriores grego Dimitris Droutsas afirmou que o regime de Muamar Kadafi "busca uma solução" para o conflito.

"Segundo as palavras utilizadas pelo enviado líbio, ao que parece o regime busca uma solução" para o conflito, indicou Droutsas em um comunicado, divulgado neste domingo à noite.

Combates

Nos últimos dias, os combates no leste se concentram nas proximidades das instalações petroleiras de Brega, a 800 km de Trípoli e 240 km ao sul de Benghazi, bastião da oposição, constatou um jornalista da agência de notícias AFP.

Na entrada da cidade, os rebeldes ocuparam a Universidade do Petróleo, um enorme campus, mas ficaram sob intenso fogo das forças de Kadafi. Fortes explosões provenientes das posições das forças do governo podiam ser ouvidas, enquanto os aviões da Otan sobrevoavam a região. "A situação é boa, estamos cercamos Brega", assegurou um militar que se apresentou como um "coronel" da rebelião, mas que se recusou a dizer seu nome.

"O Exército do ditador está caindo, teremos o controle da cidade em breve", disse. A região de Brega é cenário há vários dias de combates entre o homens de Kadhafi e os insurgentes. Depois de um rápido avanço para o oeste na semana passada e de um recuo em consequência da pressão das forças do regime, os rebeldes retomaram a vantagem na sexta-feira, auxiliados pelos ataques aéreos da coalizão internacional comandada pela Otan.

Pela primeira vez desde o início da intervenção internacional em 19 de março, nove rebeldes e quatro civis, entre eles três estudantes de Medicina que viajavam para atender os feridos nos confrontos, morreram no sábado em um ataque da Otan a 15 km de Brega. A Aliança Atlântica, que assumiu na quinta-feira o comando das operações militares de apoio à rebelião, anunciou no sábado que examinava as informações sobre o possível caso de fogo amigo.

    Leia tudo sobre: LíbiaconflitocombatesKadafiAli Tikri

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG