Comboio militar da Líbia cruza a fronteira para o Níger

Governo do país nega rumores de que Kadafi esteja em um dos cerca de 50 veículos civis e militares que chegaram à capital

iG São Paulo |

Um comboio de cerca de 50 veículos civis e militares da Líbia cruzou a cidade de Agadez, no norte do Níger, na noite de segunda-feira. O governo do país negou os rumores de que o líder deposto Muamar Kadafi esteja no comboio, que na terça-feira chegou à capital, Niamey.

“Não se trata de Kadafi e não acredito que o comboio em questão tenha as proporções que lhe são atribuídas”, afirmou o ministro das Relações Exteriores do Níger, Mohamed Bazum. “Na realidade, chegaram ao Níger algumas personalidades de maior ou menor importância, mas nada mais. Não há dirigentes de primeiro escalão e muito menos Muamar Kadafi e um filho dele.”

Autoridades do Níger disseram à Associated Press que o chefe da segurança de Kadafi, Mansour Dao, estava em um dos carros que chegou à capital.

Representantes do Conselho Nacional de Transição (CNT, órgão político dos rebeldes líbios), o comboio partiu de Jufra, cidade líbia ainda controlada por partidários de Kadafi. O porta-voz do Conselho em Londres, Guma el-Gamaty, disse que o Níger será penalizado se surgirem provas de que o país ajudou Kadafi a fugir.

Segundo a BBC, acredita-se que no comboio também estejam líderes da comunidade tuaregue (que vive no deserto do Saara nos dois lados da fronteira) que teriam sido recrutados por Kadafi para lutar por seu regime. Segundo um jornalista de uma rádio de Agadez, testemunhas disseram que Rhisa Ag Bula, um dos líderes tuaregues e “muito ligado a Kadafi”, estava no comboio.

A cidade de Niamey fica no extremo sul do Níger, próximo à fronteira com Burkina Faso, que ofereceu asilo a Kadafi. Segundo o CNT, o comboio também levou ouro, euro e dólares de uma agência do banco central da Líbia.

AP
Líderes tribais (de frente para a câmera) negociam com rebeldes líbios em mesquita de Bani Walid
Nesta terça-feira foram retomadas as negociações na cidade líbia de Bani Walid, cercada por forças do CNT, depois de os anciãos da tribo da região terem concordado em dialogar.

De acordo com os rebeldes líbios, quatro líderes tribais se encontraram com representantes do CNT em uma pequena mesquita situada cerca de 40 quilômetros ao norte da cidade. "Estamos aguardando a resposta deles. Assim que a tivermos, entraremos pacificamente na cidade", disse o negociador Sediq Bin Dalla, do CNT, depois de duas horas de conversações.

Bani Walid fica no meio do deserto, 150 quilômetros ao sul de Trípoli, e ainda é controlada por partidários de Kadafi que se recusam a se render.

As forças do CNT se concentram fora da cidade há dias e a situação é vista como um teste para a capacidade dos rebeldes de deixar de lado as divisões tribais do país e negociar uma solução pacífica. A cidade é um reduto da poderosa tribo Warfalla, que tem cerca de 1 milhão de integrantes.

Com AFP, EFE, BBC e Reuters

    Leia tudo sobre: nígerlíbiakadafimundo árabeotanonutrípoli

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG