Tensões entre a minoria cristã e os muçulmanos vem crescendo desde a derrubada do antigo regime de Mubarak, no Egito

selo

Pelo menos 24 pessoas foram mortas e mais de 200 feridas neste domingo em choques entre cristãos da comunidade copta e forças de segurança na capital do Egito, Cairo. Milhares de cristãos coptas fizeram uma manifestação contra a demolição de uma igreja cristão no sul do país na semana passada.

População nas ruas em confronto com forças de segurança na capital do Egito
Reuters
População nas ruas em confronto com forças de segurança na capital do Egito

AP
Explosões e fogo durante confrontos

Os manifestantes pediam a demissão do governador da província de Assuã, onde a igreja foi demolida, quando a violência teve início. 

A TV egípcia mostrou imagens de bombas de petróleo sendo arremessadas e veículos incendiados no centro do Cairo.

Os choques se espalharam pela praça Tahrir, epicentro dos levantes que derrubaram o governo do presidente Hosni Mubarak em fevereiro.

Os confrontos envolveram milhares de pessoas, atirando pedras e destruindo o asfalto por mais munição.

Não está claro quantos dos mortos eram soldados e quantos manifestantes.

As tensões sectárias entre a minoria cristã (cerca de 10% da população) e os muçulmanos vem crescendo desde a derrubada do antigo regime.

Os cristãos acusam o governo interino de não reprimir atos de violência contra eles.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.