China reconhece conselho rebelde como governo legítimo da Líbia

País foi o último integrante do Conselho de Segurança da ONU a considerar que CNT representa o povo líbio

iG São Paulo |

A China reconheceu oficialmente o Conselho Nacional de Transição (CNT, órgão político dos rebeldes líbios) como “autoridade governante que representa o povo da Líbia”, informou nesta segunda-feira a agência estatal chinesa de notícias Xinhua.

O país era o único membro do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que não tinha reconhecido o CNT como governo legítimo da Líbia. Poucos países em todo o mundo não o fizeram, como o Brasil.

A China tem bilhões investidos em transporte ferroviário, petróleo e telecomunicações na Líbia. O país se opôs aos ataques aéreos da Otan durante a revolta contra o líder deposto Muamar Kadafi e afirmou que as Nações Unidas devem liderar a reconstrução pós-guerra no local.

AFP
Rebeldes líbios descansam em Wishtata antes de se dirigirem à Bani Walid, ainda controlado por forças pró-Kadafi

Também nesta segunda-feira, o primeiro-ministro do Níger, Brigi Rafini, afirmou que 32 pessoas ligadas a Kadafi chegaram ao país desde 2 de setembro – incluindo um dos filhos do líder deposto, Saadi .

“Entre as 32 pessoas que estão no Níger, nenhuma é alvo de mandado de prisão ou de busca pelas instâncias judiciais internacionais”, afirmou Rafini, acrescentando que três generais líbios também estão no grupo.

Eles seriam Al-Rifi Ali al-Sharif, chefe da Aeronáutica líbia antes da queda do regime, Ali Khana, chefe da guarda de Kadhafi e das forças líbias de Obari, e Mahammed Abydalkarem, comandante da região militar de Murzuk.

Na sexta-feira, o governo do Níger disse que a nação africana respeitaria seus compromissos para com o Tribunal Penal Internacional (TPI) se Kadafi ou seus filhos entrassem no país. Em junho, o TPI emitiu ordens de prisão contra Kadafi, seu filho Saif al-Islam e contra Abdullah al Senusi, chefe da inteligência militar do regime.

A mulher de Kadafi, Saifa, e seus filhos Hannibal e Muhammad buscaram refúgio na Argélia. A filha Aisha também está no país vizinho, onde deu à luz um dia após sua fuga.

Duas semanas após a tomada de Trípoli , a maior parte da Líbia está sob controle do CNT, que comanda as forças rebeldes. Há, no entanto, focos de resistência. Forças leais a Kadafi ainda tomam conta das cidades de Bani Walid, Sabha e Sirte, agora sitiadas pelos rebeldes.

Nesta segunda-feira, forças leais a Kadafi atacaram o portão principal de uma refinaria de petróleo próximo à cidade costeira de Ras Lanuf, na Líbia, matando 15 guardas e deixando outros dois feridos, disseram testemunhas.

"Cerca de 14 a 15 caminhões vieram da direção de Sirte para Ras Lanuf", disse um trabalhador da refinaria, Ramadan Abdel Qader, que levou um tiro no pé durante o ataque. A refinaria é controlada pelo CNT.

Com AFP, Reuters e AP

    Leia tudo sobre: chinalíbiakadafimundo áraberebeldesotanníger

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG