Chefe de junta militar do Egito faz advertência antes de eleição

Tantawi diz que não permitirá que 'encrenqueiros' atrapalhem votação, alertando para consequências graves se país não superar crise

iG São Paulo |

Na véspera das eleições legislativas, o chefe da junta militar do Egito, Field Marshal Hussein Tantawi, alertou neste domingo para consequências "extremamente graves" se o país não superar sua atual crise, afirmando que não permitirá que "encrenqueiros" atrapalhem a votação.

AP
Manifestates protestam contra junta militar na Praça Tahrir, no Cairo (27/11)
A advertência foi feita após uma semana de confrontos entre as forças de segurança e manifestantes que exigem que a junta militar renuncie e transfira o poder a um governo civil imediatamente.

Leia também:
- Contra violência, bairro no Cairo quer 'monitorar' eleições
- Aliança entre ativistas e partidos dá sinais de desgaste no Egito
- Novo premiê do Egito garante que terá mais poderes que antecessor
- Legado de Mubarak atrapalha nascimento de um novo Egito

Tantawi conclamou os eleitores a comparecer para o início das eleições parlamentares apesar do caos nas ruas depois de nove dias de protestos e choques que alguns apelidaram de "segunda revolução". "O Egito está em uma encruzilhada - ou teremos êxito político, econômico e social ou as consequências serão extremamente graves, e não permitiremos isso."

A votação de segunda-feira será a primeira realizada desde a queda de Hosni Mubarak em 11 de fevereiro, após 18 dias de um levante popular que conclamava por democracia após décadas de ditadura.

Em declarações na sede do Comando da Zona Central após uma reunião com oficiais das Forças Armadas, Tantawi afirmou que o Exército manterá "o mesmo lugar" na nova Constituição. "O lugar do Exército foi o mesmo na Constituição anterior, é o mesmo na atual e será o mesmo na próxima e em todas as outras", afirmou.

Foram exatamente essas prerrogativas do Conselho Supremo das Forças Armadas que provocaram uma manifestação na Praça Tahrir no dia 18, que desatou para confrontos entre a polícia e os manifestantes nos dias seguintes.

Os manifestantes se opunham a um documento proposto pelo agora vice-primeiro-ministro interino, Ali al Selmi, que reservaria uma série de privilégios à junta militar na elaboração da futura Constituição, como o controle do Orçamento das Forças Armadas e o poder para declarar guerra, entre outras.

Em meio aos distúrbios recentes, Tantawi disse que Exército terá uma participação efetiva para garantir a segurança e o sucesso da votação. 

O marechal disse também esperar que as eleições legislativas resultem em uma Assembleia equilibrada, na qual estejam representadas todas as opções, e destacou que seu êxito depende da participação da população.

Em relação à reunião de sábado com os candidatos à presidência Amr Moussa e Mohamed ElBaradei, Tantawi destacou que o encontro foi realizado a pedido deles para debater a situação atual. "Nada me impede de me reunir com qualquer pessoa e escutar todos os pontos de vista", afirmou o militar, acrescentando que tem intenção de ouvir mais forças políticas para analisar a nova etapa do Egito.

*Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: egitomundo árabehosni mubarakjunta militarpraça tahrircairo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG