Brasileiro que treina seleção da Líbia pode deixar equipe

Em sua conta no Twitter, Marco Paquetá diz que está 'cada vez mais difícil dar continuidade ao trabalho'

BBC Brasil |

selo

Getty Images
Paquetá é visto durante jogo contra Tunísia em foto de 14/06/2006, quando era técnico da Arábia Saudita
O brasileiro Marco Paquetá, que treina a seleção de futebol da Líbia, disse que poderá deixar a equipe nos próximos dias.

Em sua conta no Twitter, o técnico afirmou no sábado que está ''cada vez mais difícil de darmos continuidade ao trabalho na seleção da Líbia; creio que nesta próxima semana teremos um conclusão''.

Paquetá, que está no Brasil desde março, também disse temer pela perspectiva de combates entre forças rebeldes, que estão na capital líbia , Trípoli, e tropas leais ao líder do país, o coronel Muamar Kadafi.

''Após contato com Trípoli, estamos muito apreensivos com os amigos, (que) estão em situação muito difícil, sem saber o que vai acontecer, muita tensão'', afirmou.

Disputa

A Líbia está participando da etapa classificatória da Copa das Nações Africana e tem uma partida prevista para 3 de setembro contra Moçambique. O jogo está marcado para ocorrer em terreno neutro, na cidade de Bamako, no Máli.

Paquetá assinou um contrato de quatro anos para treinar a Líbia em junho do ano passado, mas, desde março, após a insurreição contra o regime de Kadafi, ele partiu para o Brasil por questões de segurança.

Seus encontros com os jogadores da seleção tem se dado na Tunísia, que tem servido como sede improvisada para a realização de treinos por parte da equipe.

Desde o início da rebelião contra Kadafi, o time já realizou dois jogos, ambos contra a equipe das Ilhas Comores. Na primeira disputa, em março, a Líbia goleou os adversários por 3 a 0 e, no seguinte, em junho, empatou em 1 a 1.

Veja imagens dos confrontos na Líbia:

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabetrípolimarco paquetá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG