França e Grã-Bretanha e EUA atacam Líbia por terra e ar e Khadafi promete armar população contra 'colonialismo'

selo

Mísseis da artilharia ocidental cruzaram os céus da Líbia
AP
Mísseis da artilharia ocidental cruzaram os céus da Líbia
Após uma noite de ataques por mar e ar, as forças do coronel Muamar Kadafi foram expulsas da cidade de Benghazi, afirmaram neste domingo (20) os rebeldes que estão se levantando contra o governo.

Um dia antes, a cidade foi palco de combates. Tanques do governo haviam entrado em Benghazi e houve relatos de confrontos na região próxima da universidade local. Centenas de carros estavam deixando a cidade em direção à fronteira egípcia, mais ao leste.

A interrupção do avanço das forças do regime sobre Bengahzi é o primeiro grande resultado da ofensive militar francesa, britânica e americana contra o regime de Muamar Kadafi. A ação foi aprovada por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU.

Entretanto, rebeldes dizem que as forças de Kadafi ainda controlam a terceira maior cidade da Líbia, Misrata, a oeste de Benghazi, e que atiradores de elite haviam sido posicionados nos edifícios da cidade prontos para atirar em passantes.

Em Trípoli, estrondos de artilharia antiaérea deixaram os moradores em alerta, mas o repórter da BBC Allan Little, que está na cidade, disse não haver outros sinais de guerra na capital.

A TV estatal líbia disse que um bombardeio ocidental matou 48 civis e feriu cerca de 150 na periferia da cidade, mas as restrições impostas sobre os jornalistas no país tornam esta informação impossível de verificar de maneira independente.

No sábado à noite, Kadafi fez um pronunciamento na TV em que acusou as potências ocidentais de "colonialismo" e pediu ao povo que empunhe armas para defender a revolução que ele lidera.

"Esta agressão só torna o povo líbio mais forte e consolida sua vontade", disse o líder líbio.

Khadafi afirmou que o ataque poderia dar início a uma "nova cruzada" do ocidente no Oriente Médio e pediu a africanos, árabes, latino-americanos e asiáticos que apoiem o povo líbio contra o inimigo.

Contra os inimigos, disse, o regime abrirá "os depósitos de armas para defender a unidade, soberania e poder da Líbia".

Ataques por terra e ar
A ação militar na Líbia começou no fim da tarde do sábado, quando caças franceses Rafale atacaram tanques e veículos militares blindados das forças do governo.

Durante a madrugada, mais de cem mísseis foram disparados a partir de navios de guerra americanos e britânicos. A aviação da Grã-Bretanha também informou estar participando da ação aérea ao lado da França.

Um jornalista da agência Reuters informou que foram encontrados pelo menos 14 corpos de soldados pró-Kadafi e dezenas de veículos militares queimados na estrada que leva para a Benghazi.

As forças ocidentais estão analisando imagens feitas por satélite para avaliar o estrago causado pelos ataques do sábado.

Em entrevista ao canal de TV France 2, o ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, declarou que "os ataques vão continuar nos próximos dias, até que o regime líbio cesse a violência contra sua população".

Ele disse que o objetivo da coalizão internacional "é permitir ao povo líbio escolher o seu regime", mas descartou uma intervenção militar terrestre, de acordo com os termos da resolução da ONU.

Em visita oficial ao Brasil, o presidente Obama disse no sábado que os Estados Unidos participariam de forma "limitada" na ação militar, mas ressaltou que não seria "negligente quando um tirano diz a seu povo que não haverá misericórdia".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, qualificou a ação militar de "necessária, legal e correta".

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que lamenta a decisão das potências ocidentais de realizarem uma ação militar na Líbia.
O governo russo também pediu por um cessar-fogo na Líbia assim que possível.

Resolução
A resolução 1.973, aprovada na última quinta-feira pelo Conselho de Segurança da ONU, estabelece uma zona de exclusão aérea na Líbia para proteger os civis de bombardeios.

A medida autoriza os Estados membros a tomar "todas as medidas necessárias" para proteger os civis dos ataques, excluindo a possibilidade de envio de forças de ocupação estrangeiras.

Kadafi diz que a resolução é "inválida". Após a aprovação da medida, o governo líbio anunciou um cessar-fogo, mas no sábado os combates continuaram em Benghazi.

Muamar Kadafi, que está no poder há 40 anos, enfrenta o pior levante da oposição na Líbia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.