Após negar, Otan admite ataque em cidade líbia, mas diz que alvo era militar

Admissão é feita um dia depois de organização assumir responsabilidade em ataque que deixou nove mortos em bairro de Trípoli

iG São Paulo |

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) admitiu ter bombardeado nesta segunda-feira a cidade líbia de Surman, a oeste de Trípoli, mas afirmou que seu alvo era militar, retificando um desmentido feito previamente de que não havia lançado nenhum ataque ao local. Segundo a Aliança, o local atacada era um centro de "comando e controle".

AP
Foto tirada em tour do governo líbio mostra bombeiros trabalhando nas ruínas de prédio destruído em Surman, na Líbia
A declaração foi feita em resposta à acusação do governo líbio de que um ataque à cidade, localizada a cerca de 60 quilômetros da capital, deixou 15 mortos e vários feridos. No domingo, a Aliança reconheceu sua responsabilidade em um ataque aéreo que matou nove civis e deixou 20 feridos na capital líbia no domingo.

De acordo com o governo líbio, o ataque teve como alvo a residência de um antigo companheiro de armas de Kadafi e, entre os 15 mortos, haveria três crianças.

O governo levou jornalistas estrangeiros para o local do suposto ataque aliado, e um correspondente da AFP observou vários edifícios destruídos. Segundo o governo, o complexo residencial foi atingido por oito mísseis durante um ataque aéreo. O porta-voz do regime líbio, Mussa Ibrahim, denunciou um "ato terrorista e covarde, que não pode ser justificado".

A casa pertencia a Khoweildi al-Hamidi, que integrava o conselho de comando da revolução de 1969. A maioria das vítimas, segundo o governo, é de familiares de Hemidi, incluindo dois netos, e vizinhos. As equipes de socorro procuravam outras possíveis vítimas entre os escombros.

No domingo, o governo líbio havia acusado a Otan pelo ataque a Souq al-Juma, bairro residencial da periferia de Trípoli, o que horas mais tarde forçou a declaração da organização de que o mal funcionamento de um projétil poderia ter causado o erro.

"Ainda estamos determinando as especificidades do evento, mas indicações são de que uma falha no sistema de armamento possa ter causado o incidente", afirmou o comandante da missão da Otan, general Charles Bouchard, em comunicado.

AFP
Em foto tirada em tour do governo pessoas são vistas em frente de destroços de casas em Trípoli que foram destruídas em bombardeio da Otan (19/06)
Previamente, a Otan havia admitido ter bombardeado por engano um comboio de rebeldes líbios perto de Brega, porto petrolífero ao leste da capital, causando a morte de seis opositores de Kadafi.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: líbiakadafimundo árabetrípolieuaonuotan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG