Al-Qaeda reforça controle sobre cidade do Iêmen

Militantes islâmicos libertaram ao menos 150 prisioneiros da cadeia de Radda e hastearam sua bandeira sobre a cidade

iG São Paulo |

Militantes islâmicos hastearam sua bandeira sobre a cidadela de Radda e juraram obediência ao líder da Al-Qaeda, Ayman al Zawahri, depois de assumirem o controle dessa cidade , situada a sudeste de Sanaa, capital do Iêmen, disseram moradores nesta segunda-feira.

Leia também: Membros da Al-Qaeda tomam cidade de Radda, no Iêmen

AP
Vista geral da cidade de Radda, a sudeste de Radda, Iêmen

O fato deve agravar as preocupações dos Estados Unidos e da vizinha Arábia Saudita com a difusão da Al-Qaeda no Iêmen, país que fica na entrada do mar Vermelho, importante rota para o transporte de petróleo e outros produtos.

Além da atividade dos militantes, o Iêmen enfrenta também vários meses de protestos populares pela renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, no poder há quase 34 anos. Os Estados Unidos e a Arábia Saudita pressionam pela implementação de um acordo, assinado em novembro, pelo qual Saleh transferiria o poder ao seu vice.

Os militantes invadiram Radda na madrugada de sábado, matando dois policiais. Moradores disseram que eles ocuparam a cadeia local, libertaram 150 prisioneiros e tomaram cinco veículos da polícia, e que também estariam cercando prédios públicos.

"A Al-Qaeda hasteou sua bandeira sobre a cidadela", disse um morador à Reuters por telefone. "Seus membros se espalharam pelos bairros depois de jurarem obediência a Ayman al Zawahri durante as preces noturnas (de domingo)."

A TV estatal disse que a população de Radda está fazendo um apelo ao governo pelo envio de tropas que expulsem os militantes. Nenhuma autoridade governamental se manifestou sobre a notícia.

A invasão de Radda parece espelhar um ataque anterior deste ano, em que os militantes capturaram a cidade de Zinjibar, capital da província de Abyan, no sul. Desde então, pelo menos outras duas cidades menores foram tomadas pelo grupo no paísm que foi um dos que se revoltou contra o poder vigente no contexto da Primavera Árabe.

O presidente Ali Abdullah Saleh recentemente concordou em renunciar depois de meses de resistência aos protestos contra seu regime, que já durava 33 anos. Mas os remanescentes de seu tempo no poder ainda mantém a população sob estado de revolta.

O Iêmen é o país mais pobre do mundo árabe. Esse cenário pode tornar o Iêmen em algo semelhante ao Afeganistão na época do domínio do Taleban (1996-2001), um ponto de força para os militantes do mundo onde poderiam planejar ataques contra o Ocidente.

O braço iemenita da Al-Qaeda já foi relacionado com ataques perpetrados no território americano e na vizinha Arábia Saudita. Acredita-se que é uma das facções mais perigosas entre as organizações terroristas.

Segundo autoridades da segurança, um grupo de 200 militantes chegou ao centro de Radda na segunda-feira de diversos pontos que eles tinham controlado no fim de semana, incluindo um castelo, uma escola e uma mesquita. Eles tomaram a cadeira e libertaram entre 150 e 200 prisioneiros, incluindo um número de militantes da Al-Qaeda.

Alguns deles se uniram aos insurgentes que lhes deram armas, segundo autoridades que falaram em condição de anonimato. As autoridades disseram que o militantes da Al-Qaeda eram liderados por Tariq Al-Zahab, um iemenita cuja irmã era casada com o clérigo nascido nos EUA Anwar al-Awlaki, morto em um ataque em setembro.

Com Reuters e AP

    Leia tudo sobre: al qaedaiêmenraddasaleh

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG